Cientistas criam vírus de computador que se espalha pelo ar 'como gripe'

Clientes usam a rede wi-fi de um café (Getty) Direito de imagem Getty
Image caption Redes domésticas e de pequenas empresas são mais vulneráveis, diz pesquisador

Cientistas de Liverpool, no Reino Unido, criaram um tipo de vírus de computador capaz de se espalhar pelo ar, por redes wi-fi, como "uma gripe comum".

Em áreas densamente habitadas, onde há muitas destas redes sem fio, o vírus pode ir de rede em rede, procurando por suas falhas.

Uma vez no controle de um ponto wi-fi, o vírus deixa vulneráveis os computadores conectados a esta rede .

O chefe da equipe de pesquisadores disse à BBC que o objetivo é criar um programa de computador capaz de evitar que esse tipo de ataque seja possível.

"Em vez de esperar que as pessoas criem senhas fortes, é melhor integrar sistemas capazes de detectar intrusos nesses pontos de acesso", disse Alan Marshall, professor de redes de comunicação da Universidade de Liverpool.

Ele não quis entrar em detalhes sobre os métodos usados para prevenir o uso desse tipo de ataque, mas disse que a tecnologia necessária para testar esses métodos foi criada na universidade.

Sob controle

Chamado de "camaleão", o vírus procura por pontos de acesso a redes sem fio - aparelhos que transmitem o sinal wi-fi - que não tiveram suas senhas de fábrica alteradas.

Essa senha é diferente das usadas para se conectar à rede sem-fio propriamente dita e, com frequência, não são alteradas por quem compra esses aparelhos.

Isso dá controle do ponto de acesso ao hacker, que pode acessar os computadores conectados à rede para roubar informações.

Disseminação

Mas é o próximo passo do vírus que é mais incomum.

Uma vez instalado no ponto de acesso, o vírus pode - sem ser controlado por um humano - buscar automaticamente outros pontos de acesso vulneráveis para assumir seu controle.

Marshall disse à BBC que é improvável que isso represente uma ameaça às redes wi-fi de grandes empresas, já que elas normalmente têm muitos mecanismos de segurança.

No entanto, redes domésticas ou de empresas menores, como restaurantes e bares, não costumam ter esses mecanismos.

Segundo o cientista, como sua equipe conseguiu provar que a ameaça é real, o foco agora é criar um programa capaz de prevenir esse sequestro de redes sem fio.

Notícias relacionadas