O que esperar do Oscar 2014?

  • 1 março 2014
Foto: AFP Image copyright AFP
Image caption A apresentadora Ellen DeGeneres será a mestre de cerimônias da premiação pela segunda vez

A votação já foi encerrada e falta apenas um dia para a entrega dos prêmios Oscar. Saiba o que esperar da competição este ano:

A corrida pelo melhor filme está mais difícil de prever do que na maioria dos anos, segundo Scott Feinberg, especialista em Oscar da revista The Hollywood Reporter. Feinberg previu 21 dos 24 vencedores de 2013.

"A competição está muito acirrada. Ninguém pode dizer com algum grau de confiança quem vencerá - é a primeira vez que isso acontece desde que comecei a fazer isso", disse à BBC.

O prêmio de melhor filme parece estar entre três principais competidores: Doze Anos de Escravidão, Gravidade ou Trapaça.

Doze anos, nove indicações

"Os especialistas estão muito divididos a respeito de quem vai ganhar. Em parte porque este foi um grande ano para o cinema. E em parte porque eles usam uma cédula preferencial (na votação), o que torna difícil calcular", afirma Feinberg.

"Agora (a decisão) não depende só dos filmes que tem mais fãs, mas também do que as pessoas colocam como segunda escolha."

O especialista acredita que o vencedor será Doze anos de Escravidão - que tem nove indicações no total - baseado no que a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas americana escolheu no passado.

Se o filme de Steve McQueen for escolhido como o melhor do ano, será a primeira vez que o filme de um diretor negro ganha o prêmio máximo.

Quem está na Academia?

Um estudo realizado há dois anos revelou que dos pouco mais de de 6 mil membros eleitores da Academia, cerca de 86% tinham mais do que 50 anos, 94% eram brancos e 77% eram homens.

Mas este não é o perfil das pessoas que pagam para ver filmes no cinema.

Image copyright BBC World Service
Image caption Entre os nove indicados, três são considerados os mais fortes concorrentes ao prêmio de melhor filme

"Eu não tenho completa certeza, mas Doze Anos de Escravidão é o que faz mais sentido quando você considera as tendências históricas da Academia", diz Feinberg.

"Eles sempre responderam bem a filmes que são sobre temas importantes - especialmente histórias derivadas de material pré-existente. Então esse filme preenche vários dos 'requisitos'."

"O filme também é relevante nos dias de hoje - as relações de raça nos Estados Unidos estão claramente longe de ser resolvidas."

Mas parte do filme é tão brutal que alguns dos membros a Academia disseram que não conseguiram assisti-lo.

"No fim das contas, vai depender de quantos conseguiram aguentar até o fim", acredita o especialista.

Fazendo a história do Oscar?

Gravidade e Trapaça tem 10 indicações cada, mas Feinberg adverte: "ambos tem a história contra eles."

O especialista diz que o filme com mais indicações geralmente ganha, mas o problema é que a Academia nunca deu o prêmio de melhor filme para uma obra de ficção científica ou em 3D.

Se Gravidade ganhar, portanto, será um marco na história da premiação de duas maneiras.

"As pessoas claramente gostaram muito de Trapaça - é somente o 15º filme a ser indicado em todas as quatro categorias de atuação", lembra Feinberg.

"Mas é difícil entender qual é o apelo dele nos dias de hoje - ele não tem muito peso. É uma 'dramédia' (drama e comédia) de época. Mas a última comédia a vencer como melhor filme foi Noivo neurótico, Noiva nervosa, há 36 anos."

A 'questão Woody Allen'

O maior escândalo que surgiu durante a corrida pelo Oscar - além da desqualificação de um dos indicados a melhor canção - foi a renovação da acusação de abuso sexual contra Allen, feita por sua filha adotiva com Mia Farrow, Dylan.

O diretor negou as acusações em um artigo de resposta no jornal The New York Times.

Image copyright AFP
Image caption Atriz australiana venceu o Globo de Ouro, o Bafta e o prêmio dos críticos americanos por Blue Jasmine

Ele está indicado para o prêmio de melhor roteiro original pelo filme Blue Jasmine, e as atrizes Cate Blanchett e Sally Hawkins foram indicadas como melhor atriz e atriz coadjuvante.

Blanchett já era a favorita ao prêmio há meses, então a pergunta é: será que o escândalo teve algum impacto na votação final?

Cheryl Boone Isaacs,o presidente da Academia, deu uma resposta diplomática a esta pergunta, em entrevista à revista Hollywood Reporter.

"Acredito que os membros da nossa Academia levam a votação a sério. Eles fazem seu dever de casa, vêem os filmes, sabem reconhecer qualidade onde há e votam de acordo."

Feinberg completa: "Eu não ouvi absolutamente nada sobre isso com os eleitores do Oscar. Não acho que afetará Cate Blanchett".

Se ela não ganhar, no entanto, as pessoas irão assumir que as acusações contra Allen foram a razão.

"Pode não ser justo com a pessoa que ganhar dela, mas não acho que é provável que ela perca. Até agora, ela não deixou de ganhar nenhum dos prêmios nos quais competiu", diz Feinberg.

Fazendo muito com pouco

Também vale a pena ficar de olho em Jennifer Lawrence. Se ela ganhar o prêmio de melhor atriz coadjuvante, será o "bicampeonato" da atriz de 23 anos.

No ano passado, ela foi premiada como melhor atriz por O Lado Bom da Vida.

E na categoria de cabelo e maquiagem, o prêmio pode ir para a comédia de pegadinhas com câmeras escondidas Vovô sem vergonha, feita pelos criadores do programa Jackass, exibido na MTV americana entre 2000 e 2002.

Image copyright AFP
Image caption Indicados a prêmio de maquiagem surpreenderam especialistas

O filme mostra um dos criadores do programa, Johnny Knoxville, transformado em um homem grosseiro de 86 anos chamado Irving Zisman, que faz uma viagem de carro pelos Estados Unidos com seu neto de oito anos.

Mas a grande revelação nesta categoria vem da equipe de maquiagem do filme Clube de Compras Dallas.

Eles causaram surpresa ao revelarem que o orçamento para a produção de 28 dias do filme - sobre um eletricista texano diagnosticado com Aids em 1985, que criou uma operação de tráfico de medicamentos alternativos à doença - custou apenas US$ 250 (R$ 580).

E pode ser que Mickey Mouse ganhe seus primeiro Oscar em 72 anos.

O personagem de animação foi criado em 1928, o que faz dele um senhor de 86 anos hoje. Mas agora ele estrela o filme Hora de viajar!, que concorre ao prêmio de melhor curta-metragem.

A última aparição do Mickey em um curta-metragem vencedor foi ao lado do seu cachorro, Pluto, no filme Me Dê uma Pata, de 1941.

Notícias relacionadas