Desconfiança de Putin com Ocidente ajuda a explicar ação russa na Ucrânia

  • 5 março 2014
Manifestantes pró-Rússia na Crimeia (Reuters)
Interesses russos na Ucrânia são vistos como legítimos por Putin

A Rússia tem um governo e um Parlamento; tem comissões, comitês e um Conselho Nacional de Segurança. Mas as decisões-chave do país são tomadas por um único homem: o presidente Vladimir Putin.

Ele está no topo da cadeia "vertical de poder" que ele próprio construiu. Hoje é ele quem decide os rumos da Rússia.

Daí vem a dificuldade em analisar o país e entender o que seu governo está planejando - é preciso entrar na cabeça de Putin.

E o que ele pensa no momento sobre a Ucrânia? Qual seu objetivo, e o que motiva suas ações em política internacional?

Uma coisa que enfurece o presidente russo é a sensação de que ele está sendo enganado. Vimos isso com a Líbia, em 2011.

Na ocasião, Moscou foi persuadido a não vetar uma resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre uma zona de bloqueio aéreo no país norte-africano, para proteger civis. Mas as ações militares da Otan (aliança militar ocidental) levaram a uma troca de regime na Líbia e à morte de Muammar Khadafi - muito além do esperado pela Rússia.

Isso ajuda a explicar por que o país rapidamente vetou resoluções relacionadas à Síria.

'Enganado'

Também na Ucrânia, Putin se sente enganado pelo Ocidente. No mês passado, seu enviado a Kiev participou de negociações de um acordo entre o então presidente ucraniano, Viktor Yanukovych, e a oposição. O acordo, mediado por chanceleres europeus, previa eleições antecipadas, reforma constitucional e um governo de unidade nacional.

O representante do Kremlin não assinou o acordo, mas a Rússia parecia aceitá-lo como a melhor solução em uma situação ruim. Mas, menos de 24 horas depois, Yanukovych fugiu, o Parlamento o removeu do poder e designou um novo presidente interino, oriundo da oposição. Tudo isso pegou Moscou de surpresa.

Putin acredita que o Ocidente fica constantemente planejando desestabilizar a Rússia (e ele próprio), citando a Revolução Rosa, em 2003, na Geórgia, a Revolução Laranja, em Kiev, no ano seguinte - Moscou acredita que potências ocidentais orquestraram os dois eventos.

Mais recentemente, o Kremlin acusou o Ocidente de financiar e fomentar protestos antigoverno em Moscou.

E há meses a Rússia tem acusado EUA e União Europeia de meter-se na Ucrânia em busca de vantagens geopolíticas.

Putin se sente enganado pelo Ocidente

Há, ainda, a questão da Otan. Em entrevista de 2010, Putin diz que a aliança prometeu certa vez à antiga União Soviética que não expandiria além de suas fronteiras. "Eles nos enganaram", afirmou Putin.

Será que a implementação de um governo pró-Ocidente em Kiev significaria que a Ucrânia seria chamada para ser parte da Otan? Moscou veria isso como uma ameaça direta a sua segurança nacional.

Crimeia

No Ocidente, a intervenção russa na Crimeia foi criticada como uma "agressão brutal". Na mente de Putin, porém, isso é uma hipocrisia, ante as intervenções americanas no Iraque, no Afeganistão e na Líbia.

Putin tem se mostrado determinado a defender o que vê como interesses legítimos da Rússia ao redor do mundo - sejam eles na Síria ou mais perto de casa, na Ucrânia.

E mais, com muito da Europa dependendo do fornecimento de energia russa e se beneficiando do comércio com Moscou, o Kremlin calcula que seus oponentes no Ocidente não terão estômago para divergir seriamente da posição russa.

Putin afirma que não quer uma guerra na Ucrânia e que a intervenção russa é "humanitária", para proteger cidadãos de origem russa do "caos".

Mas os interesses nacionais russos ditarão suas prioridades: garantir que o novo governo em Kiev não expulse a Frota do Mar Negro da Crimeia e que os novos líderes ucranianos pensem duas vezes antes de abraçar o Ocidente e rejeitar a Rússia.

Notícias relacionadas