Com escalada da crise, Otan manda aviões e monitora fronteiras da Ucrânia

Voo de avião da Otan, em foto de arquivo (AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Otan diz que realizará voos 'apenas dentro do território da aliança'

A Otan, aliança militar ocidental, enviou nesta segunda-feira aviões de reconhecimento sobre a Polônia e a Romênia para monitorar as fronteiras em meio à crise na vizinha Ucrânia, um gesto que volta a ressaltar a preocupação europeia com a possível escalada no conflito ucraniano.

Os voos ocorrerão "somente sobre território da aliança", afirmou um porta-voz do organismo.

O anúncio ocorre num momento em que Moscou solidifica seu controle sobre a Crimeia, região autônoma na Ucrânia, uma semana antes de um referendo em que a população local votará se prefere que o território seja anexado à Rússia.

O Ocidente e a Ucrânia consideram o referendo "ilegal", mas ele obteve apoio dos Parlamentos da Crimeia e da Rússia, bem como do presidente russo, Vladimir Putin.

A Ucrânia não é membro da Otan, mas a intervenção russa na Crimeia causou preocupação em países vizinhos (entre eles membros da aliança que faziam parte da esfera soviética), informa a agência Reuters.

Os voos Awacs (sigla em inglês de "voos de controle e aviso inicial") sairão de bases na Alemanha e Grã-Bretanha para "aumentar a percepção da situação pela aliança" pelo tempo que for necessário, agregou o porta-voz da Otan.

Na semana passada, a organização afirmou que iria revisar sua cooperação com a Rússia e aumentar seu engajamento com o governo de Kiev, depois que homens vestindo uniformes militares invadiram um hospital em Simferopol (Crimeia), onde veteranos e soldados estavam internados.

Crimeia

Tropas pró-Rússia também bloqueiam o acesso de soldados ucranianos à Crimeia.

Oficialmente, Moscou nega que suas tropas estejam participando dos bloqueios e atribuem a iniciativa a forças "de autodefesa".

O governo em Kiev - com apoio de EUA e União Europeia - acusa a Rússia de invadir a Ucrânia, violando leis internacionais.

Em outro desdobramento da crise, tropas pró-Rússia tentaram tomar o controle de uma base de transporte Bahkchysarai, município entre Simferopol e Sevastopol.

Os homens dispararam tiros ao alto, mas soldados ucranianos impediram a tomada do local.

Pouco a pouco, e com pouca resistência, as tropas pró-Rússia estão desmontando a capacidade ucraniana de manter-se na Crimeia, informa o enviado da BBC à região, Christian Fraser.

Notícias relacionadas