Seguradoras começam a indenizar familiares de passageiros do voo MH370

Steven Wang, familiar de um dos passageiros do voo MH370 é cercado pela imprensa em frente ao hotel Lido, em Pequim (Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Alguns familiares chineses já estão sendo indenizados pela morte de seus entes queridos

Seguradoras da China estão começando a pagar indenizações para familiares dos passageiros do voo MH370, da Malaysia Airlines, desaparecido desde 8 de março com 239 pessoas a bordo.

Segundo a agência de notícias chinesa Xinhua, as empresas disseram que os trabalhos para o pagamento das indenizações foram iniciados depois que o primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, disse na segunda-feira que o voo "acabou" no sul do oceano Índico.

Ainda não há provas concretas ou informações completas nas quais essa conclusão possa se basear.

Mas, a seguradora China Life, a maior da China, afirmou que tem 32 clientes entre os passageiros do MH370 e estima que o total da indenização chegue a cerca de 9 milhões de yuans (cerca de R$ 3,36 milhões).

A companhia já pagou 4,17 milhões de yuans (R$ 1,5 milhão) em indenizações para familiares de sete passageiros na terça-feira.

"A China Life lamenta profundamente as notícias (sobre o desaparecimento do avião) e vai garantir a total implementação da indenização e de todos os outros serviços relacionados", informou um porta-voz da seguradora.

Já a seguradora China Pacific Insurance Co., baseada em Xangai, informou à Xinhua que na quarta-feira já ofereceu a primeira indenização no valor de 525 mil yuans (quase R$ 195 mil).

A Sunshine Insurance disse à Xinhua que já pagou 500 mil yuans (cerca de R$ 187 mil) por três passageiros, um homem, a esposa e a filha, que estavam à bordo do MH370.

A New China Life Insurance Co. estima que as indenizações que pagará às famílias dos passageiros cheguem a um total de 1 milhão de yuans (mais de R$ 374 mil), pelos nove clientes que estavam a bordo do voo.

O voo MH370 desapareceu no dia 8 de março. Ele viajava da capital malaia, Kuala Lumpur, a Pequim com 239 pessoas a bordo. Nenhum destroço do avião foi recuperado até a tarde desta quinta-feira.

Mais de 150 passageiros do voo da Malaysia Airlines eram chineses.

Notícias relacionadas

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet