Observatório no Chile mostra galáxia 'devoradora'

  • 2 abril 2014
As duas galáxias, NGC 1317 (menor) e a NGC 1316 (Foto: ESO) Direito de imagem ESO
Image caption As duas galáxias, NGC 1317 (menor) e a NGC 1316; sinais mostram passado turbulento de galáxia maior

Uma nova imagem obtida pelo telescópio MPG/ESO, do Observatório Europeu do Sul, mostra uma galáxia que teria devorado várias outras ao longo de sua história.

A imagem capturou duas galáxias contrastantes: a NGC 1316 e uma menor, a NGC 1317 (à direita, na foto).

Segundo os pesquisadores, a pequena galáxia NGC 1317, em formato espiral, teve uma vida mais calma. Mas a maior, a NGC 1316, engoliu várias outras galáxias.

E, devido à proximidade, a pequena NGC 1317 poderá se transformar na próxima "vítima" da galáxia "assassina".

Cicatrizes de guerra

Segundo os cientistas, vários indícios na estrutura da NGC1316 mostram que a galáxia teve um passado atribulado.

Os astrônomos afirmam que as longas faixas de poeira cósmica próximas a seu centro e uma população de pequenos aglomerados estelares são sinais de que a NGC 1316 já havia engolido outras galáxias, entre elas uma outra galáxia em espiral, há cerca de 3 bilhões de anos.

Também podem ser vistas longas e tênues "caudas" partindo da NGC 1316, chamadas pelos pesquisadores de "caudas de maré", formadas por estrelas arrancadas de suas posições originais e lançadas no espaço intergaláctico.

Estas "caudas" são resultado de efeitos gravitacionais nas órbitas das estrelas quando uma outra galáxia se aproxima demais.

Todos estes sinais apontam para o passado "violento" da NGC 1316, durante o qual ela anexou outras galáxias. Os sinais também sugerem que a NGC 1316 continua seguindo esse padrão.

Observatório chileno

A NGC 1316 está a cerca de 60 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Fornax (Fornalha).

A imagem detalhada da NGC 1316 e da NGC 1317 foi capturada pelo Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), em La Silla, no Chile.

A foto foi criada a partir da combinação de muitas imagens individuais nos arquivos do ESO - e abre uma janela para uma parte longínqua do Universo.

Os pontos mais tênues e difusos que aparecem na foto divulgada pelo ESO são galáxias ainda mais distantes do que a NGC 1316 e a NGC 1317.

Uma concentração destes pontos, particularmente densa, pode ser vista à esquerda da NGC 1316.

Notícias relacionadas