De faxineiro a cirurgião: Nasa tem grandes planos para 'robonauta' no espaço

  • 5 abril 2014
Robonauta da Nasa. Foto: Nasa Image copyright BBC World Service
Image caption Nasa tem grandes planos para o Robonauta

Ele não entra em pânico em situações de emergência, não erra por falta de sono e não sente saudades da família depois de muito tempo longe da Terra – ele sequer precisa de ar para respirar.

O Robonauta 2, da Nasa, está sendo encarado como a solução perfeita para cirurgias espaciais. O robô já está a bordo da Estação Espacial Internacional.

Por ora, a tecnologia ainda é, em muitos aspectos, rudimentar. Sua capacidade de movimentos é limitada. Ele não consegue se deslocar em gravidade zero e sua maior vitória no espaço foi ter conseguido agarrar um pedaço flutuante de fita adesiva.

Mas a Nasa tem grandes esperanças para o futuro. A expectativa é que no futuro o Robonauta 2 possa vir até mesmo a operar cirurgias em seus colegas humanos.

"A ideia é que ele se torne o melhor cirurgião, enfermeira e médico", disse à BBC o especialista Zsolt Garami, do hospital metodista de Houston, no Texas.

Faxina sideral

Atualmente, há quatro versões diferentes do Robonauta sendo desenvolvidas. Uma delas está sendo desenvolvida para checar o pulso de pacientes e dar injeções.

A alta precisão pode trazer benefícios. O robô consegue identificar exatamente o local onde a injeção foi dada e usar o mesmo ângulo de penetração em futuras aplicações – minimizando o impacto das lesões.

Mas no curto prazo, o Robonauta 2 está sendo testado em tarefas mais banais, como faxina.

"O robô precisa conquistar seu espaço", disse à BBC o líder do projeto, Ron Diftler. Até agora, ele tem recebido tarefas entediantes, como monitorar o fluxo de ar dentro da estação.

Image copyright BBC World Service
Image caption Robonauta já está a bordo da Estação Espacial Internacional

O Robonauta 2 só possui tronco, cabeça e braços. Ele ainda espera pernas, que devem ser enviadas no futuro. Com elas, ele será capaz de realizar tarefas de limpeza de superfícies.

As pernas possuem sete juntas e câmeras nos pés – com bastante mobilidade e visão do que está acontecendo. Um dia espera-se que ele poderá realizar manutenções fora da Estação Espacial.

O Robonauta 2 é controlado remotamente por pessoas baseadas na Terra. O controlador usa uma máscara e luvas de realidade virtual. Ele enxerga exatamente o que o robô está vendo, e controla os movimentos com seus próprios gestos.

O robô também pode ser controlado por comandos dados por computadores.

Visão especial

A visão do robô é superior a dos humanos – ele possui cinco câmneras e consegue enxergar luz infravermelho. O robonauta "pensa com seu estômago", já que o computador está implantado no corpo, e não na cabeça.

A mão possui uma sensibilidade especial – sensores indicam a força que está sendo aplicada a objetos, para que seja possível regular o toque.

Um desafio para aperfeiçoar a tecnologia ao ponto de ela ser possível em cirurgias é reduzir o período de tempo entre o comando dado e a execução da ordem.

Em uma cirurgia, mesmo um atraso de um segundo pode afetar a forma como um corte é feito – tornando-o profundo ou curto demais.

A grande distância faz com que o sinal seja demorado. Também há o risco de pequenas interrupções nas transmissões.

Image copyright BBC World Service
Image caption Robonauta ainda tem muitas limitações e precisa ser aperfeiçoado

No caso de uma missão para Marte, por exemplo, este período pode ser de até 30 segundos.

Uma possibilidade estudada é fazer o robô ser controlado por astronautas que estão dentro da estação. Outro caso possível é usar o robô em tarefas automatizadas durante a cirurgia.

O Robonauta 2 já tem capacidade de "agir sozinho" em algumas instâncias. Os controladores podem simplesmente ordenar que ele pegue algo e o próprio robô usa seu sistema de visão para localizar e identificar o objeto, para finalmente pegá-lo.

A tecnologia do Robonauta ainda tem bastante caminho pela frente. A agência espacial americana espera ver nos próximos anos esta "criança" crescer e um dia se tornar um médico precioso a bordo.

Notícias relacionadas