Um dos homens armados e encapuzados que ocupou a sede de polícia na cidade de Slaviansk, na Ucrânia (BBC)
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Homens armados ocupam sedes de polícia em cidades da Ucrânia

Homens armados tomaram a sede de polícia na cidade de Slaviansk, no leste da Ucrânia, neste sábado.

De acordo com autoridades ucranianas, os homens, que seriam jovens militantes pró-Rússia, dispararam tiros e lançaram bombas de efeito moral para assumir o controle da chefatura policial.

Slaviansk é uma das cidades do leste da Ucrânia que conta com uma vasta população de etnia russa e fica a 150 quilômetros da fronteira do pais com a Rússia.

O ministro do Interior ucraniano,Andrei Deshchytsia, chamou os invasores de "terroristas" e afirmou que tropas especias seriam acionadas para retomar o controle da sede policial.

Também neste sábado, um grupo formado por 20 homens tomou a sede da polícia de Kramatorsk, também no leste do país. Policiais trocaram tiros com os invasores ao tentar defender o edifício.

Invasões em série

Esses incidentes foram mais dois entre vários episódios de tomadas de edifícios públicos por parte de grupos pró-Rússia realizados nos últimos dias.

Image caption Episódio em Slaviansk faz parte de série de invasões

Kostyantyn Pozhydayev, o representante do Ministério do Interior de Donetsk, uma das cidades russas que sofreram invasões por parte de ativistas pró-Rússia, entregou sua renúncia neste sábado.

O governo da Ucrânia acusa a Rússia de estar por trás das ações dos invasores de edifícios públicos.

Em meio à escalada de tensão no país, a Casa Branca deu um alerta ao presidente russo, Vladimir Putin, para que o país interrompa seus "esforços para desestabilizar a Ucrânia".

Tratativas de paz em risco

Por sua vez, a Rússia afirmou que qualquer ação armada por parte das autoridades ucranianas no leste do país colocarão em risco as tratativas de paz em curso.

Em uma ligação para o secretário de Estado americano, John Kerry, o ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, disse ainda que a Ucrânia "está demonstrando falta de habilidade para assumir a responsabilidade pelo futuro do país".

Um encontro está previsto para 17 de abril entre líderes da Rússia, da Ucrânia, dos Estados Unidos e da União Europeia.

Cinco dias depois, o vice-presidente americano Joe Biden chegará à capital ucraniana Kiev para demonstrar apoio à unidade do país e se encontrar com autoridades ucranianas e representantes da sociedade civil.