Com bebê a tiracolo, visita real renova apoio à monarquia britânica na Oceania

Direito de imagem AP
Image caption A jovem família real chegou à Oceânia há 3 semanas para o que foi considerado uma das melhores visitas reais

O bebê de 9 meses do príncipe William e de sua mulher, Kate George, roubou a cena na visita do casal real britânico à Austrália e à Nova Zelândia, que, para especialistas, fortaleceu os sentimentos nos países - ambos membros do chamado Commonwealth, a Comunidade Britânica - em relação à monarquia.

Desde o momento em que saiu do avião na Nova Zelândia, no colo de sua mãe, no dia 7 de abril, até o momento em que embarcou, na Austrália, para o voo de volta, nesta sexta-feira, o príncipe George foi a estrela do show.

Ele só foi visto em duas situações (além dos aeroportos) que foram cuidadosamente organizadas, a primeira com um grupo de bebês durante uma reunião informal de seus pais na sede do governo neo-zelandês na capital do país, Wellington, e no zoológico de Taronga em Sydney, na Austrália.

Mas apesar do poder fotogênico de George ter roubado espaço nas primeiras páginas dos jornais, a visita da família real revelou uma mudança de atitude por parte destes dois países em relação à monarquia.

Uma pesquisa de opinião publicada no diário australiano Sydney Morning Herald na manhã da chegada do casal no país dizia, nas palavras do jornal, que "o apoio à uma República Australiana caiu para o seu nível mais baixo em mais de 3 décadas".

Direito de imagem Reuters
Image caption Quando aparecia, príncipe George roubava a cena

A pesquisa sugeriu que 51% dos entrevistados favorecem manter a monarquia, enquanto 42% apóiam uma república.

O mais surpreendente é, provavelmente, o fato de o apoio à monarquia ser mais forte entre pessoas de 18 a 24 anos. Dentro deste grupo, 60% apóiam a monarquia, enquanto apenas 28% querem que a Austrália se torne uma república.

Situação confortável

Direito de imagem Reuters
Image caption O poder fotogênico de George roubou espaço nas primeiras páginas de jornais do mundo todo

A recepção nos dois países foi extremamente calorosa; por onde passou, o casal atraiu um grande número de pessoas, apesar de hoje em dia o apelo da família real já não ser mais o mesmo de antes, quando visitas como essa atraíam centenas de milhares de pessoas.

Como, por exemplo, na primeira visita da rainha Elizabeth 2ª à Austrália e à Nova Zelândia, em 1954, nos primeiros anos de seu reinado - quando as relações entre os dois países e o "país mãe" eram muito mais fortes do que são hoje.

No entanto, apesar de todas as mudanças que ocorreram na Austrália e Nova Zelândia nos últimos 60 anos, o sistema de monarquia constitucional parece, no momento, estar mais firmemente enraizado nos dois países do que esteve durante muitos anos.

Os dois países têm hoje primeiros-ministros que querem manter a monarquia.

Direito de imagem PA
Image caption Centenas de milhares de pessoas receberam a Rainha na Tasmânia em 1963

O premiê australiano, Tony Abbott, foi além: em um discurso no Parlamento em Canberra, na frente de William e Kate, declarou com convicção que seu filho será um dia bem-vindo à Austrália como Rei George 7º.

Republicanos australianos sempre acreditaram que sua melhor chance de virar a mesa surgiria quando o reinado de Elizabeth 2ª chegasse ao fim.

No entanto, há pouca evidência nesses países de um desejo em buscar uma mudança na forma de governo. No momento as pessoas parecem estar satisfeitas com a situação em que se encontram.

Abbott expressou esse desejo dizendo: "As melhores coisas na vida são aquelas que venceram o teste do tempo".

Direito de imagem PA
Image caption A visita incluiu também uma disputa de djs, na qual Kate foi a grande vencedora

Ele estava se referindo à monarquia, e a visita de William, Kate e do bebê George deu à Austrália e à Nova Zelândia a ideia do que é uma instituição tradicional atualizada para um formato do século 21.

Eles fazem tudo com calma, escutam, e são sempre educados. Muitos se surpreenderam com sua "normalidade".

Performance

E é claro que de certa forma é tudo uma performance. Eles sabem que é isso o que é esperado deles, mas conseguiram aperfeiçoar a "linguagem" desenvolvida pelos membros da família real mais bem sucedidos, de aparente intimidade e interesse com centenas de estranhos por alguns momentos, enquanto que mantém a distância e dignidade que sua posição demanda.

Direito de imagem PA
Image caption Muitos que encontram com William e Catherine se surpreendem com sua normalidade

O príncipe William sempre deixou claro que faria as coisas "do seu jeito". Ele passa a impressão de ser mais "natural" que seu pai, o príncipe Charles.

O comentário entre as pessoas é que a programação ao longo das três semanas de visita de William e Kate foi comparativamente leve, sem muitos compromissos, diferente das visitas do príncipe Charles, ou da visita da rainha há um ano.

Ainda assim, o primeiro-ministro Abbott disse que a viagem foi "uma das melhores visitas reais" que a Austrália já vivenciou.

Neste trio, formado por William, Kate e George, a monarquia parece ter encontrado embaixadores poderosos. Republicanos australianos e neozelandeses precisarão repensar suas táticas.

Notícias relacionadas