'Minha família vai me aceitar depois dessa viagem', diz brasileiro que sonha ser padre

Amós Santiago no Vaticano no dia 26 de abril de 2014 | Foto: Luís Barrucho / BBC Brasil Direito de imagem BBC Brasil

Caçula de três irmãos, o piauiense Amós Santiago, de 22 anos, espera que a viagem ao Vaticano para a dupla canonização dos papas João Paulo 2º e João 23 sirva para convencer sua família de seu sonho: se tornar padre.

"Desde criança, tenho vontade de seguir a vida religiosa. Mas minha família não me aceita como eu sou e ainda tem expectativas de que eu me torne um profissional de renome", disse Santiago à BBC Brasil.

"Um dos meus irmãos é enfermeiro e o outro é advogado. Ou seja, existe uma vontade natural deles de que um dia eu me forme e tenha uma carreira tradicional", acrescentou.

Natural de Picos, a 260 km de Teresina, ele foi um dos milhares de fiéis que lotaram neste sábado a praça de São Pedro, no Vaticano, na esperança de poder pernoitar no local.

Autoridades da Santa Sé, no entanto, frustraram os planos dos devotos e esvaziaram a área por razões de segurança.

Santiago, que abandonou o curso de enfermagem e está terminando a graduação em Direito, conta que recebeu o "chamado de Deus" durante um evento do movimento carismático da juventude católica há dois anos.

"Naquele momento, eu estava passando por conflitos familiares e havia pedido demissão do meu trabalho, de que eu não gostava", afirmou ele.

"Sinto como se Deus tivesse me chamado. Costumo dizer que Ele vai costurando com fio de ouro o meu itinerário de fé", acrescentou.

Coincidência

Fluente em três idiomas, Santiago, que trabalha atualmente em uma ONG, interrompeu uma estadia no norte da Itália para vir ao Vaticano com mais dois amigos, também do Piauí.

"Foi uma coincidência. Planejamos essa viagem (ao norte da Itália) há muito tempo, mas não sabíamos que a canonização ocorreria enquanto estivéssemos aqui".

"Espero que, depois dessa viagem, minha família entenda que serei muito mais feliz sendo padre", concluiu.

Notícias relacionadas