Sem pressão sobre lista, Felipão tem dia tranquilo e 'mais fácil' que em 2002

Felipão na convocação da seleção para a Copa (AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Luiz Felipe Scolari anunciou nesta quarta-feira os 23 jogadores que vão à Copa do Mundo

Doze anos depois de conviver com o clamor de milhões de brasileiros que cobravam a presença de Romário na Copa do Mundo disputada na Ásia em 2002, o técnico Luiz Felipe Scolari voltou a convocar a seleção brasileira para um Mundial.

Desta vez, porém, o clima foi de total tranquilidade, sem grandes questionamentos da imprensa nem a desilusão de torcedores pelo país - em 2010, por exemplo, a expectativa era em cima das jovens revelações Neymar e Paulo Henrique Ganso, que brilhavam no Santos e acabaram não sendo aproveitados por Dunga.

"Naquela noite (véspera da convocação em 2002), eu até dormi em outro hotel, ninguém sabia, foram ver quando chegaram para me buscar. Desta vez não precisei disso. Fiz minha caminhada normalmente no hotel, porque sabia que a convocação não vai agradar a todos, mas não com o mesmo clamor daquela vez. Foi relativamente mais fácil", afirmou o treinador logo na primeira resposta da entrevista coletiva concedida após o anúncio dos 23 nomes no Rio de Janeiro, no final da manhã desta quarta-feira.

Entre as principais dúvidas da lista final, a escolha menos óbvia foi pelo nome de Henrique, zagueiro do Napoli (Itália), que entrou em campo apenas quatro vezes com a camisa do Brasil e deixou para trás nomes como Miranda, do Atlético de Madri (Espanha), Dedé, do Cruzeiro, Marquinhos, do PSG (França), e Réver, do Atlético-MG.

"Onde tivemos os olhares finais, onde os detalhes foram observados até ontem (terça), foi na última vaga para a quarta zaga. Tivemos nossas discussões, o porquê disso ou daquilo, e aí decidimos pelo Henrique".

Nas demais vagas em disputa, Victor, do Atlético-MG, venceu o duelo com Diego Cavalieri, do Fluminense; Maicon, da Roma-ITA, superou qualquer possibilidade da convocação de Rafinha, do Bayern-ALE; Maxwell, do PSG-FRA, se manteve no elenco apesar das chances de Filipe Luís, do Atlético de Madri-ESP; e Robinho, do Milan-ITA, e Lucas Leiva, do Liverpool-ING, não conseguiram tirar uma vaga de algum dos meio-campistas.

Das ausências, a dupla do Atlético de Madri foi lembrada por uma repórter estrangeira, que perguntou os motivos pelos quais Miranda e Filipe, finalistas da Champions League e líderes do Campeonato Espanhol, não estão no grupo."Tenho 23 convocados e os que não foram é por alguma razão que o técnico escolheu". limitou-se a dizer.

Diferente de outros tempos, quando ausências ou nomes questionáveis mereceram atenção especial no dia da convocação final, desta vez o treinador teve vida mais tranquila, e a lista não gerou outros debates.

Quando se ventilou a possibilidade do treinador revelar detalhes sobre os sete suplentes que precisa apresentar à Fifa, por exemplo, Felipão logo desconversou, ressaltando que, em caso de troca de jogadores, não precisa usar necessariamente esses nomes que enviará à entidade. Até Romário, deixado de fora em 2002, foi lembrado, mas o assunto também não foi muito à frente. "Queria agradecer ao Romário([um repórter disse a Felipão que o ex-jogador e hoje deputado federal desejou sorte ao técnico) e dizer mais uma vez que muitos têm a imagem de que não temos uma boa amizade, mas continuamos amigos mesmo que ele não tenha ido à Copa".

Croácia

Sobre o torneio que começa em pouco mais de um mês, Felipão manteve o discurso de que o principal rival é sempre o próximo, garantindo atenção máxima em relação à Croácia, adversário da estreia em 12 de junho, em São Paulo. Lembrou também que espera o mesmo apoio dos torcedores que foram aos jogos da Copa das Confederações, quando o Brasil foi campeão.

Sobre o elenco, garantiu que não tem preocupações individuais com um ou outro jogador, mas que o foco inicial é totalmente ligado à preparação física.

"A parte técnica nós vamos trabalhar a partir do momento que a parte física for trabalhada. E será um trabalho quase que por área, por grupos. Com esses testes, vamos fazer um trabalho conjunto para colocar todos os atletas nas melhores condições físicas. Os jogos amistosos (3 e 6 de junho) são para deixar a equipe nas melhores condições, e se entendermos que alguns jogadores não podem estar, não vamos colocar".

A seleção brasileira se apresenta em 26 de maio e a presença do lateral Marcelo neste primeiro momento ainda não é certa. O jogador defenderá o Real Madrid na final da Champions League no dia 24, em Lisboa, e Felipão disse que ainda irá tratar do assunto com o jogador, que pode ser liberado para a comemoração do título caso o clube espanhol supere o rival Atlético na grande decisão do futebol europeu.

Os 23 convocados da seleção brasileira para a Copa do Mundo:

Goleiros Júlio César (Toronto) Jéfferson (Botafogo) Victor (Atlético-MG)

Laterais Daniel Alves (Barcelona) Maicon (Roma) Marcelo (Real Madrid) Maxwell (PSG) Zagueiros Thiago Silva (PSG) David Luiz (Chelsea) Dante (Bayern) Henrique (Napoli) Meio-campistas Luiz Gustavo (Wolfsburg) Paulinho (Tottenham) Fernandinho (Manchester City) Ramires (Chelsea) Willian (Chelsea) Oscar (Chelsea) Hernanes (Internazionale) Atacantes Neymar (Barcelona) Fred (Fluminense) Hulk (Zenit) Bernard (Shakthar Donetsk) Jô (Atlético-MG)