Atirador de Santa Barbara 'era filho de cineasta' que participou de 'Jogos Vorazes'

  • 24 maio 2014
BBC Image copyright BBC World Service
Image caption Alan Shifman deu as declarações em nome do cineasta Peter Rodger (BBC)

Um cineasta americano que participou da equipe responsável por um dos filmes da franquia Jogos Vorazes afirmou que acredita que o filho foi o atirador responsável por seis mortes na Califórnia na noite de sexta-feira.

Peter Rodger, que foi o diretor-assistente do filme, informou através de seu advogado que acha que o filho de 22 anos, Elliot, matou as pessoas disparando de dentro de uma BMW preta nas ruas adjacentes ao campus da Universidade da Califórnia-Santa Barbara.

O atirador morreu devido a ferimentos a bala.

A polícia está investigando um vídeo postado no YouTube no qual um jovem, que afirma ser Elliot Rodger, reclama de anos de rejeição que sofria por parte das mulheres e ameaça vingança.

As autoridades ainda não confirmaram a identidade do atirador e nem a do jovem visto no vídeo postado no YouTube.

O advogado do cineasta Peter Rodgers, Alan Shifman, afirmou neste sábado que a "família acredita que o filho foi o responsável" pelas mortes.

Shifman disse que a família entrou em contato com a polícia a respeito de "postagens recentes no Youtube", feitas por Elliot, "que falavam de suicídio e da morte de pessoas".

O advogado afirmou ainda que o filho do cineasta sofria de Síndrome de Asperger, tinha dificuldades em fazer amigos e estava recebendo ajuda profissional para o tratamento do problema.

Shifman acrescentou que a família Rodger está "devastada" e cooperando com a polícia.

Ricardo Martinez, cujo filho de 20 anos, Christopher, foi uma das vítimas, falou sobre a perda.

"Quando esta insanidade vai acabar?... Muitos já morreram. Deveríamos dizer para nós mesmos 'Mais nenhum'", afirmou.

Ferimentos a bala

Image copyright BBC World Service
Image caption Um vídeo postado no YouTube mostrava um jovem ameaçando vingança e falando em mortes (YouTube)

O delegado do condado de Santa Barbara, Bill Brown, disse a jornalistas ainda na sexta-feira que a polícia estava tratando o incidente como "assassinato em massa premeditado".

Os disparos ocorreram na área de Isla Vista, perto da Universidade da Califórnia-Santa Barbara. As testemunhas descreveram como uma BMW preta passou correndo pelas ruas e como os tiros foram disparados, vindos do carro.

A polícia afirma que recebeu o primeiro alerta por volta das 21h30 (horário local). Seis minutos depois, o suspeito e policiais que foram mobilizados para a região trocaram tiros.

O suspeito fugiu, mas depois de uma segunda troca de tiros com a polícia, ele acabou batendo o carro contra um outro veículo estacionado.

Ele foi encontrado morto dentro da BMW com um ferimento à bala na cabeça. A polícia afirma que não está claro se foi o próprio suspeito que disparou este tiro.

Uma arma semiautomática foi encontrada dentro do carro.

Além dos seis mortos, outras sete pessoas foram feridas a tiros e estão internadas em hospitais locais.

A Universidade da Califórnia-Santa Barbara divulgou uma declaração afirmando que está "chocada e entristecida" pelo incidente e que vários estudantes foram levados para hospitais locais.

Notícias relacionadas