Treino de futebol americano em Cuiabá | Foto: Camilla Costa/BBC Brasil
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Futebol americano é opção para evitar ‘elefante branco’ em Cuiabá após Copa

Após a Copa do Mundo, a Arena Pantanal, em Cuiabá, pode se tornar palco de alguns dos atletas mais populares da cidade: os do time de futebol americano Cuiabá Arsenal.

O estádio construído para o Mundial tem capacidade para cerca de 44 mil pessoas, mas os jogos de futebol dos times locais raramente levam mais de mil torcedores.

O futebol americano, no entanto, tem se tornado cada vez mais popular no Mato Grosso. Ele começou a ser praticado no Estado na década passada, e hoje já há sete times locais, com nomes como Cuiabá Angels (equipe feminina), Tangará Taurus, Sinop Coyotes e Rondonópolis Hawks.

O Cuiabá Arsenal, principal time da capital, é bicampeão brasileiro e a equipe a vencer mais vezes o campeonato nacional. Em 2012, na final do torneio, levou cerca de 5 mil pessoas ao estádio Eurico Gaspar Dutra, o Dutrinha, em Cuiabá.

Direito de imagem BBCBrasil
Image caption Futebol americano leva mais cuiabanos a estádios do que futebol

"A nossa média de público no ano passado foi maior que a média de público do campeonato mato-grossense de futebol 'normal'. Ano passado tivemos por volta de 2 mil pessoas em cada jogo", disse o atual técnico do time, Brian Guzman, à BBC Brasil.

"Se você pensar na serventia da Arena após a Copa e pensar nos ícones esportivos da cidade de Cuiabá, o Arsenal pula para o topo da lista, porque as pessoas sabem que além de um esporte que entrega um bom produto dentro de campo, os eventos são muito bem organizados."

Elefante branco?

Por causa do baixo público de futebol no Estado, a Arena é considerada uma dos candidatas a se tornar um "elefante branco" após o Mundial. A Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa do Mato Grosso), no entanto, aposta em um plano multiuso para o espaço, do qual os times de futebol americano serão parte importante.

A Secopa afirmou à BBC Brasil que pretende abrir o espaço para jogos de campeonatos de futebol americano e fazer com que o estádio se torne "uma referência" para o esporte no país.

A Arena Pantanal custou R$ 646,5 milhões, segundo o Ministério do Esporte, e é a sétima mais cara entre os estádios da Copa. A construção, que começou em 2010, deveria ter sido finalizada em dezembro de 2012, mas o estádio foi inaugurado só em abril de 2014.

Mais oportunidades do que futebol

Wesley Jardim é o segundo de cinco jogadores "exportados" pelo Cuiabá Arsenal para os Estados Unidos, terra natal do esporte.

Morador de um bairro carente de Várzea Grande, cidade da região metropolitana de Cuiabá, Wesley conheceu o futebol americano observando os treinos, quando ainda jogava futebol de salão.

Direito de imagem BBC Brasil
Image caption Equipe já envia jogadores para times de escolas e universidades americanas

Depois de um ano na defesa do Cuiabá Arsenal e uma participação na seleção brasileira, ele recebeu uma bolsa em uma escola em Nebraska, nos Estados Unidos, e agora segue para uma universidade no mesmo Estado.

"Quando comecei a jogar, eu não tinha condições financeiras. O treinador viu que eu tinha o talento e me ajudava financeiramente, porque na época a gente tinha que pagar as viagens, o transporte e a alimentação. De vez em quando, não tinha dinheiro para pagar a passagens e vir ao treino", disse à BBC Brasil.

Como Wesley, a maioria dos atuais jogadores da equipe ainda arca pessoalmente com a maior parte das despesas na rotina de treinos e jogos.

Apesar da gratidão à equipe que o lançou – ele treina com o Arsenal durante as férias no Brasil –, Wesley diz que pretende ficar nos Estados Unidos, onde há mais oportunidades de crescer no esporte.

"O futebol americano para mim é praticamente tudo. Desde que eu comecei a jogar, abriu várias portas pra mim. Eu aprendi inglês, conheci outros Estados do Brasil e outros países. Se eu continuasse aqui em Mato Grosso jogando futebol normal, não teria conseguido, pelo fato de ser tão concorrido", diz.