Sequestro de jovens reacende tensão entre Israel e palestinos

  • 15 junho 2014
Jovens seminaristas rezam por colegas desaparecidos (foto: Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Governo israelense culpa palestinos pelo sequestro de três jovens na Cisjordânia

Israel está preso ao destino de três adolescentes, que desapareceram quando voltavam de lições em um seminário na Cisjordânia.

O premiê israelense Benjamin Netanyahu acusou o grupo palestino Hamas de envolvimento no sequestro dos três.

Os estudantes desapareceram na última quinta-feira perto de um assentamento israelense na Cisjordânia quando voltavam para casa após a aula.

O Hamas negou qualquer envolvimento com o caso.

O desaparecimento está sendo encarado como o maior episódio gerador de tensão entre palestinos e israelenses desde a formação de um governo de coalisão palestino em abril.

Israel suspendeu as negociações de paz com os palestinos quando o governo do presidente Mahmoud Abbas anunciou um governo de coalisão apoiado pelo Hamas.

"Aqueles que realizaram o sequestro de nossos jovens são pessoas do Hamas", disse Netanyahu.

"As declarações de Netanyahu são declarações tolas", afirmou o porta-voz do Hamas Sami Abu Zuhri.

"Nós acreditamos que as últimas prisões de líderes do Hamas, legisladores e ministros têm como alvo quebrar a vontade do movimento do Hamas na Cisjordânia", ele afirmou.

O Exército israelense diz ter prendido cerca de 80 palestinos durante as buscas pelos adolescentes. Na noite deste domingo, tropas israelenses cercaram uma edificação em Hebron e tiros foram ouvidos na região.

Prisioneiros

O medo na região é que se os adolescentes não forem encontrados, a crise pode escalar de forma significativa, segundo o correspondente da BBC em Jerusalém Quentin Sommerville.

Israel afirma que suas forças estão preparadas para "qualquer cenário possível". Os palestinos dizem que isso equivaleria a uma punição coletiva.

O governo de Israel afirma que uma "operação intensa" está sendo preparada para encontrar os dois jovens de 16 anos Naftali Frenkel e Gilad Shaar, além de Eyal Yifrach, de 19 anos de idade.

Eles foram vistos pela última vez na área de Gush Etzion, um quarteirão de assentamentos judeus localizado entre Jerusalém e a cidade de Hebron, predominantemente palestina.

O destino desses jovens está paralisando Israel, com ampla cobertura de suas principais redes de TV.

Autoridades palestinas afirmaram estar cooperando com as buscas.

Netanyahu havia dito, porém que considerava a Autoridade Palestina responsável pela integridade dos adolescentes.

Em resposta, autoridades palestinas afirmaram que o desaparecimento aconteceu em uma região totalmente controlada por Israel.

Mais cedo, em outra declaração, o Exército israelense fez referência ao sequestro do militar israelense Gilad Shalit em 2006 e disse que os três seriam trocados por prisioneiros palestinos presos em Israel.

O sargento Shalit foi libertado em 2011 depois que Israel e o Hamas firmaram um acordo garantindo a libertação de 1.000 prisioneiros palestinos.

Também no domingo, o Exército israelense disse que realizou ataques aéreos na faixa de Gaza durante a noite anterior em retaliação ao suposto disparo de foguetes em direção a Israel.

Um porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza afirmou disse à agência de notícias Associated Press que uma jovem se feriu levemente. Porém, uma criança de sete anos teria morrido recentemente devido ao fato de ter sido ferida por um ataque israelense na semana anterior.

Notícias relacionadas