#salasocial: Vaias a Dilma exaltam e dividem internautas

  • 13 junho 2014
  • comentários
Image copyright AFP
Image caption Em cerimônia realizada hoje em Brasilia, Dilma rebateu vaias e ofensas recebidas no Itaquerão

"Eu não vou me deixar perturbar por agressões verbais. Não vou me deixar atemorizar por xingamentos que não podem ser sequer escutados pelas crianças e pelas famílias."

As palavras da presidente Dilma Rousseff na manhã desta sexta-feira, em Brasilia, se referiam às vaias e ofensas que ecoaram na tarde anterior, durante a abertura da Copa do Mundo. O chiado que tomou a Arena Corinthians em meio à partida entre Brasil e Croácia continua ressoando –agora nas redes sociais.

Diferente da quase unanimidade percebida dentro do Itaquerão, a discussão posterior se polarizou. De um lado está o grupo que justifica as vaias com menções ao mensalão petista e a acusações de corrupção nas obras da Copa. De outro, a turma que atribui as ofensas à “hipocrisia e falta de educação” de uma “elite branca e despolitizada”.

Ditadura

A resposta da presidente aconteceu durante a inauguração do corredor de ônibus expresso (BRT) do Distrito Federal, diante de uma plateia de trabalhadores do BRT e convidados do governo. Sem citar diretamente a saia justa da véspera, ela optou por uma digressão aos tempos de ditadura, quando chegou a ser presa e torturada.

“Quero lembrar que enfrentei situações do mais alto grau de dificuldade. Situações que chegaram ao limite físico. Eu suportei não foi agressão verbal, não. Foram agressões físicas (...) quase insuportáveis. E nada me tirou do meu rumo. Nada me tirou dos meus compromissos nem do caminho que tracei pra mim mesma. Não serão xingamentos que vão me intimidar e atemorizar. Eu não vou me abater por isso", afirmou Dilma.

Em apenas duas horas, o perfil da BBC Brasil no Facebook recebeu mais de 600 comentários a respeito. Os dois que mais se destacaram (com mais “likes” de outros leitores) ilustram a polarização em torno do tema:

“Falta de respeito!!!! E não foram todos que vaiaram. Hipocrisia pura pois se eram contra a copa porque compraram ingresso e foram ver o jogo?!?!!!”, escreveu a leitora Maria Souza, curtida por 74 pessoas.

“Às pessoas que dizem ''Achei falta de educação'': Claro , a presidenta Dilma esqueceu de investir nisso também né?”, replicou Jonathan Alves, endossado por 13 likes.

Debate

Boa parte dos leitores creditou as vaias a uma suposta “elite hipocrita” que não representaria o país. “Como já vi pelos sites, só tinha gente branca de classe média alta lá vaiando. Pagaram 300 conto [sic] num ingresso só pra vaiar...”, disse um deles. “As pessoas xingam a Dilma e a Fifa num estádio construído com dinheiro público depois de comparem os ingressos vendidos pela Fifa. Isso faz algum sentido?”, complementou outro.

As respostas não demoraram. “Gente branca de classe média não é cidadão brasileiro pra ter seu direito de manifestação garantido? Ou só pode manifestar aqueles que estão do mesmo lado que você? Essa é a democracia que vocês querem?”

Para o leitor Handerson Santos, a presidente não deveria ter ouvido as críticas por uma questão de gênero. “Desrespeitoso. Nojento. Virulento. Repugnante. Antidemocrático. Antirrepublicano. Ela é uma mulher e não se diz aquelas palavras a nenhuma mulher, seja quem for. É legítimo e possível protestar, mas sem perder o respeito jamais!”.

“Ele está colhendo os frutos da péssima administração. Eu vaiaria também se estivesse lá, embora seja uma atitude grosseira...”, replicou Gilmara Lima.

Ofensas

Em pelo menos um ponto, a maior parte dos leitores concordou. "Sou a favor de criticas, mas sou contra a ofensas.... as vaias foram válidas, mas as ofensas e palavrões foram de uma falta de respeito não só pela autoridade que ela representa (a qual muitos ali votaram), mas principalmente por ela ser um ser Humano", disse Carlos Jeferson, crítico do governo petista.

Moacir da Silva estava com ele. "Vaias sim, ofensas não. Apesar de me considerar o principal opositor da Dilma (rsrs), discordo desse tipo de xingamento.Ela está ali representando o Brasil,assim como os jogadores da seleção."

"Deselegante. Até porque pra estar no estádio fez parte do esquema financeiro, caro e tudo mais. Aí quando o mundo olha pra cá, xinga (de forma vazia) a representante máxima da nação. Ofensas não trazem saúde, transporte e educação de qualidade. Quero ver quem enche a boca pra vaiar fazer a diferença fora dessa ceninha", complementou a leitora Gi Teodoro.

Como em qualquer discussão, também houve quem ficasse em cima do muro. “Sou contra as vaias, foi falta de respeito, mas as pessoas têm que poder se manifestar da forma que quiserem”, disse um leitor.