Rebeldes no Iraque 'controlam fronteiras com Síria e Jordânia'

  • 22 junho 2014
Image copyright AP
Image caption Combatentes sunitas, entre eles as forças do Isis, tomaram cidades e aeroportos no oeste e norte do Iraque

Combatentes sunitas liderados pelo grupo militante Estado Islâmico para o Iraque e o Levante (Isis, sigla em inglês) tomaram mais dois importantes pontos de passagem nas fronteiras do Iraque com a Síria e a Jordânia.

Os rebeldes agora controlam os três mais importantes postos de fronteira no oeste do país - o que significa que o governo perdeu o controle sobre sua fronteira com a Síria e a Jordânia.

Os sunitas já tinham tomado a passagem de Al-Qaim, na fronteira com a Síria, e as cidades de Rutba, Rawa e Ana. O governo diz que, em algumas cidades, suas tropas fizeram recuos estratégicos.

Um líder tribal de Ramadi, capital da província de Anbar, disse à BBC que 90% da província, a maior do país, agora estava nas mãos dos rebeldes.

Ele também disse que o Isis representa apenas parte do contingente sunita rebelde em luta contra as tropas do governo - e que as fileiras rebeldes são engrossadas por combatentes de tribos e membros experientes do antigo Exército e das forças de segurança do ex-presidente Saddam Hussein.

Há informações de que o aeroporto na cidade de Tal Afar, no norte também foi tomado por rebeldes.

O Isis – defensor da jihad, ou guerra santa –, que comanda 10 mil homens no Iraque e na Síria, segundo analistas, quer que os últimos desdobramentos alimentem sua marcha em direção à capital iraquiana, Bagdá.

Image copyright Reuters
Image caption Xiitas desfilaram pelas ruas de Bagdá no sábado em demonstração de força

Entretanto, analistas alertam para o pesado esquema de proteção na capital iraquiana. No sábado, milhares de milicianos xiitas do chamado Exército Mehdi - leais ao clérigo Moqtada al Sadr - desfilaram pelas ruas em uma demonstração de força.

O líder religioso, que comandou a resistência contra as tropas americanas que invadiram o Iraque, também convocou manifestações xiitas para todo o país.

Controle do Iraque

O avanço dos combatentes sunitas no oeste e norte do Iraque causaram grande preocupação na comunidade internacional.

O secretário de Estado norte-americano John Kerry, disse mais cedo no Cairo que a "ideologia de violência e repressão" do Isis seriam uma ameaça não apenas ao Iraque "como também a toda a região".

Kerry disse que o Iraque enfrentava um "momento crítico" e exortou seus líderes a se buscar distância de "motivações sectárias e formar um governo unido na determinação de responder aos anseios e necessidades de toda a população".

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khameni, condenou a possibilidade de uma nova intervenção americana no Iraque, dizendo que principal intenção de Washington era a de manter o Iraque sob seu controle.

Khamenei contestou as "motivações sectárias", e disse que a principal disputa no Iraque "é entre aqueles que querem que o país se junte aos Estados Unidos e os que querem um Iraque independente".

Notícias relacionadas