Melhor na 1ª fase, Holanda enfrenta México e calor em Recife

Robben durante treino da Holanda Direito de imagem Getty
Image caption Robben, um dos destaques da primeira fase da Copa com três gols, tem agora o México pela frente

Depois das classificações de Brasil e Colômbia no sábado, o duelo entre Holanda e México, às 13h deste domingo, em Fortaleza, abre o outro lado da chave da segunda fase da Copa do Mundo.

A Holanda, com três vitórias em três jogos, dez gols marcados e sete de saldo, foi o time com melhor desempenho na fase de grupos, enquanto o México também passou invicto, mas com sete pontos (empatou com o Brasil).

Depois de jogar em Porto Alegre e São Paulo, a Holanda volta ao Nordeste para um jogo num clima que preocupa o técnico Louis Van Gaal, principalmente diante de um rival não europeu. E quando esteve em Salvador, foi a campo às 16h.

"A umidade é tão alta que vai afetar o jogo. Essa é a razão pela qual tentamos fazer com que os jogadores estivessem na melhor condição. E eles (mexicanos) estão mais acostumados do que nós", comentou o treinador.

"Esperamos que o jogo tenha paradas técnicas. Caso contrário, vamos colocar garrafas d'água em volta do campo, pois a desidratação acontece", completou.

Pelo lado mexicano, o assunto também repercutiu na entrevista coletiva de ontem, véspera do jogo. "Tomara que sim (vantagem de jogar no calor), mas não sei. A umidade e o calor pesam para ambos os times. Muitos dos nossos jogadores atuam na Europa e sofrem também, mas o time está bem fisicamente", disse o técnico Miguel Herrera.

Dentro de campo, a novidade holandesa em relação ao jogo contra o Chile é Van Persie, que volta ao time após cumprir suspensão. "Eu espero um jogo parecido com aquele contra o Chile, mas o México parece melhor porque não depende tanto de um ou outro jogador", avaliou Van Gaal.

Já Herrera foi questionado sobre a utilização de Chicharito, que tem sido reserva. "Ele poderia estar iniciando os jogos, mas preferimos assim. Parabéns à ele, que entra com atitude e determinação", colocou Herrera, que, como a entrevista aconteceu após Brasil x Chile, também falou sobre disputa por pênaltis.

"Não queremos chegar a esse ponto. Vamos ganhar antes disso, mas estou treinando tudo".

Recife, 17h

Direito de imagem Reuters
Image caption Goleiro Ochoa, que já parou o Brasil, agora enfrenta o forte ataque holandês

A Arena Pernambuco recebe neste domingo, às 17h, o duelo menos badalado das oitavas de final, com Costa Rica e Grécia buscando uma vaga inédita entre as oito melhores seleções da Copa.

O técnico costarriquenho, depois de superar Uruguai e Itália e vencer o "grupo da morte" de forma surpreendente, já teve até que conviver com as perguntas sobre um favoritismo da equipe da América Central.

"Essa pressão não foi criada por nós. Não há seleção fácil nesta Copa do Mundo, e é desta forma que interpretamos a Grécia. Um time que sabe se defender muito bem, que tem jogadores perigosos", disse Jorge Luis Pinto.

A Grécia, pela primeira vez num mata-mata de Copa, acabou conquistando a vaga no Grupo C diante da Costa do Marfim, já no final do jogo. O vencedor do confronto pega quem passar do jogo que acontece um pouco antes, entre Holanda e México.

Notícias relacionadas