Klose, o maior artilheiro das Copas, é também um 'gentleman' nos campos

Miroslav Klose Josef (AFP) Direito de imagem AFP
Image caption No Mundial no Brasil, Klose se consagrou como o maior artilheiro da história das Copas

O ponteiro marcava 23 minutos do jogo da semifinal da Copa do Mundo entre Alemanha e Brasil, quando o atacante alemão Miroslav Klose Josef, 36, pegou um rebote de Julio César e estufou as bola nas redes brasileiras: com 16 gols, ele é o maior artilheiro da história da Copa do Mundo.

Até a partida desta terça-feira, em Belo Horizonte, Klose dividia a posição com o brasileiro Ronaldo, depois de igualar o recorde quando marcou seu gol contra Gana, na primeira fase.

O gol contra Gana também fez com que Klose igualasse a façanha de Uwe Seeler e Pelé e se tornasse o terceiro jogador a marcar em quatro Mundiais diferentes: Japão e Coreia do Sul, em 2002, Alemanha, em 2006, a África do Sul, em 2010 e Brasil, em 2014.

Poucos dias antes do início da Copa do Mundo, o atacante alemão já tinha se tornado o maior artilheiro da Alemanha, ao marcar no amistoso contra a Armênia.

A BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, fez um perfil do atacante alemão que brilhou contra o Brasil.

Modesto em competições nacionais

Miroslav Klose nasceu há 36 anos na Polônia. Sua família se mudou para a Alemanha, quando o jogador tinha oito anos e mal falava duas palavras em alemão.

Ele começou seus passos na liga nacional alemã na equipe Kaiserslautern, entre 2000 a 2004. De lá, foi para o Werder Bremen, onde passou três temporadas.

Em 2007, foi transferido para o Bayern de Munique, onde jogou com o italiano Luca Toni e o francês Franck Ribéry. Em suas quatro temporadas no time, o atacante jogou 98 jogos no campeonato alemão e 30 em competições europeias.

Em junho de 2011, não houve acordo para a renovação de Klose com o Bayern e o jogador se transferiu para a Itália, onde joga como atacante do Lazio.

Seus números em competições de clubes não são espetaculares e isso contrasta com seu desempenho na equipe alemã, onde figura em listas ao lado de Ronaldo e Pelé.

Geração

Direito de imagem AP
Image caption O atacante marcou seu 16º gol aos 23 minutos do primeiro tempo contra o Brasil

De acordo com especialistas, a explicação para tantos recordes é simples. Na equipe alemã, Klose é contemporâneo de uma geração de meio-campistas extraordinários.

Todos os atacantes precisam receber bons passes e a Alemanha tem Mesut Ozil, Toni Kroos, Thomas Müller, Mario Götze, Julian Draxler, Andre Schurrle e Lukas Podolski, todos capazes de entregar a bola no pé, permitindo que Klose use suas habilidades, mova-se bem na pequena área e saiba definir o lance.

A outra explicação, talvez paradoxal, mas importante, é que Klose teve pouca concorrência para o cargo de principal atacante da equipe alemã.

'Gentleman'

Apesar de Klose virar destaque nas manchetes mundo afora ao igualar o recorde de Ronaldo – e agora, ao passar o brasileiro – o que mais se comenta sobre o atacante é sua modéstia. E, claro, sua atitude "gentleman" nos campos.

Dois exemplos justificam esse último comentário.

Em 2005, em uma partida na liga nacional alemã entre Werder Bremen e Arminia Bielefeld, empatada em 0 a 0, Klose caiu na área do Armênia e o árbitro marcou pênalti. Ele chamou o juiz e disse que não tinha sido pênalti, mas o árbitro foi inflexível. O jogador chutou a bola fora.

Anos mais tarde, na Itália, em uma partida entre Lazio e Napoli, Klose marcou um gol com a mão. Depois de uma confusão e reclamações dos jogadores napolitanos, o atacante alemão explicou ao árbitro o que tinha acontecido e o gol foi anulado.

Agora, com o seu nome em destaque nos principais jornais e programas de TV, o recordista tem seu trabalho reconhecido. "Vinte jogos, 15 gols... Não é ruim", disse ele depois de um igualar o recorde de Ronaldo, mas, em seguida, riu de si mesmo ao falar sobre o salto mortal que dá ao celebrar seus gols: "Eu não sei há quanto tempo não fazia um gol. Não tenho me saído bem."

Notícias relacionadas