Israel aceita pedido da ONU de cessar-fogo temporário na Faixa de Gaza

  • 16 julho 2014
Mulher se desespera após ataque em Gaza (Reuters) Image copyright Reuters
Image caption Segundo autoridades palestinas, 213 pessoas já morreram na Faixa de Gaza em nove dias de conflito

Israel concordou em suspender temporariamente seus ataques aéreos à Faixa de Gaza na próxima quinta-feira à pedido da Organização das Nações Unidas (ONU).

Segundo o general Yoav Mordechai, do Exército israelense, o cessar-fogo ocorrerá entre 10h e 15h do horário local para que os moradores da Faixa de Gaza possam estocar suprimentos.

O anúncio vem após o fracasso de uma tentaiva de cessar-fogo promovida pelo governo egípicio.

Israel havia se manifestado a favor do acordo, mas o grupo extremista Hamas, que controla a Faixa de Gaza, anunciou nesta quarta-feira que recusou a proposta.

Com isso, novos ataques foram promovidos por ambos os lados.

Segundo autoridades palestinas, ao menos dez pessoas morreram nos ataques na madrugada desta quarta-feira.

Em nove dias de conflito, o número de mortos entre palestinos já chega a 213.

Violência

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que o Hamas "fechou a porta para uma solução diplomática" e que o grupo tem "total reponsabilidade pela continuação da violência".

Segundo Kevin Connolly, correspondente da BBC Oriente Médio em Jerusalém, Israel culpa o Hamas pela recente escalada de violência por dois motivos.

Image copyright AP
Image caption Ataques foram retomados por ambos os lados após negociação fracassar

"Primeiro, diz que o Hamas é o responsável pela escalada recente de hostilidades na região. Também afirma que, apesar de tentar evitar as mortes de civis, os militantes palestinos usam seu próprio povo como escudos humanos, algo que os palestinos negam", afirma Connolly.

Considerado uma organização terrorista por Israel e pelos Estados Unidos, o Hamas exige um relaxamento das fronteiras em Gaza e a libertação de membros do grupo presos por Israel.

As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) dizem que 23 foguetes lançados desde Gaza foram abatidos nesta quarta-feira, enquanto outros atingiram seus alvos, mas sem causar mortes.

Conversas continuam

Um porta-voz do ministério de Relações Exteriores do Egito disse à BBC que as conversas continuam com ambos os lados. "Não temos outra opção", disse o porta-voz.

Image copyright Reuters
Image caption A ONU afirma que a maioria das vítimas do conflito em Gaza são civis

Israel afirma que suas operações buscam principalmente impedir os ataques com foguetes, mas a ONU diz que a maioria dos mortos em Gaza eram civis.

Segundo a ONU, ao menos 1.370 casas foram destruídas em Gaza e mais de 18 mil pessoas tiveram que deixar as áreas onde moram.

Netanyahu foi criticado em Israel por ter aceito a trégua. O governo anunciou que o ministro de Defesa interino, Danny Danon, foi retirado do posto por críticas ao primeiro-ministro.

Israel tem reunido tropas na fronteira com Gaza. Especula-se que o país esteja preparando uma invasão por terra.

Notícias relacionadas