Israel e Hamas aceitam cessar-fogo de longa duração em Gaza

Gaza | Crédito: Reuters Direito de imagem BBC World Service
Image caption Cessar-fogo foi comemorado por palestinos na cidade de Gaza

O governo de Israel e o Hamas aceitaram nesta terça-feira uma trégua de longa duração na Faixa de Gaza.

O cessar-fogo, que encerra sete semanas de pesados confrontos que deixaram pelo menos 2,2 mil pessoas mortas, a maioria palestinas, foi mediado pelo Egito e teve início às 19h locais (13h de Brasília).

O vice-líder político do Hamas, grupo que controla Gaza, Moussa Abu Marzouk, classificou o acordo como "uma vitória sobre a resistência".

Autoridades do governo de Israel disseram que atenuariam o bloqueio a Gaza para permitir a entrada e saída de materiais para a reconstrução do território.

Não houve acordo, no entanto, sobre assuntos mais polêmicos, incluindo o pedido de Israel pelo desarmamento de grupos extremistas no território palestino. Discussões nesse âmbito devem começar no Cairo dentro de um mês.

O anúncio da trégua ocorreu em meio a registros de confrontos de ambos os lados.

A reportagem da BBC foi informada de que disparos de morteiros vindos de Gaza mataram um civil israelense e feriram outros seis no Conselho Regional de Eshkol, território localizado no sul de Israel.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Antes do anúncio da trégua, prédios foram bombardeados em Gaza e foguetes lançados contra Israel

Na manhã desta terça-feira, pelo menos seis palestinos foram mortos em uma série de ataques aéreos em Gaza, afirmaram autoridades palestinas.

Diplomacia

Autoridades palestinas informaram que a proposta de cessar-fogo do Egito reivindicava um fim indeterminado às hostilidades, a abertura imediata das fronteiras de Gaza com Israel e o Egito e a extensão da zona comercial pesqueira no Mediterrâneo.

Um mês mais tarde, acrescentaram as autoridades, o governo de Israel e as facções palestinas discutiram a construção de um porto e de um aeroporto em Gaza e a libertação de cerca de 100 prisioneiros. Homens que já haviam sido soltos em troca do soldado israelense Gilad Shalit, em 2011, e que foram presos novamente na Cisjordânia ocupada.

Segundo fontes envolvidas nas negociações, Israel e o Egito estariam reivindicando garantias de que armas não seriam mais contrabandeadas para Gaza.

O anúncio do cessar-fogo foi festejado a tiros nas ruas da Cidade de Gaza.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Segundo Israel, ofensiva representou 'golpe devastador' no Hamas

Sirenes de alerta de foguetes continuaram a soar no sul de Israel. Uma porta-voz das Forças de Defesa de Israel afirmou que o Exército estava monitorando onde os foguetes haviam caído.

Um porta-voz do Hamas, que controla Gaza, afirmou em entrevista a jornalistas: "Nós estamos aqui hoje para declarar a vitória da resistência, a vitória de Gaza, com a ajuda de Deus, e a perseverança do nosso povo e sua nobre resistência".

Um funcionário do alto escalão do governo israelense disse à BBC: "Israel aceita a iniciativa egípcia para um cessar-fogo ilimitado em Gaza".

"A proposta não inclui as reivindicações do Hamas sobre o porto, aeroporto, prisioneiros e fundos. Os lados vão discutir as demandas por meio da mediação do Egito dentro de um mês".

A fonte afirmou que o Hamas sofreu "um golpe devastador", incluindo 5,2 mil "abrigos" atingidos e mil "terroristas" mortos.

Israel lançou a Operação 'Margem Protetora' no dia 8 de julho com o intuito de pôr fim ao lançamento de foguetes por parte do Hamas. Mais tarde, a ofensiva passou a incluir a destruição de túneis usados pelos militantes para realizar ataques em Israel.

Pelo menos 2.140 pessoas, muitas das quais civis, foram mortas em Gaza, segundo o Ministério da Saúde palestino.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Israel iniciou Operação 'Margem Protetora' no dia 8 de julho com o objetivo de por fim ao lançamento de foguetes pelo Hamas

As autoridades israelenses afirmam que 64 soldados foram mortos, além de três civis e um cidadão tailandês.

'Infraestrutura terrorista'

Na manhã desta terça-feira, jatos israelenses bombardearam dois arranha-céus em Gaza. O Basha Tower, um prédio residencial e comercial, foi arrasado, e o Italian Complex, que abriga apartamentos residenciais, lojas e escritórios, foi fortemente danificado.

Ninguém morreu à medida que os moradores tentavam fugir de ambos os prédios após o alerta emitido pelas Forças de Defesa de Israel.

No entanto, 20 pessoas ficaram feridas no ataque ao Italian Complex, e pelo menos seis outras foram mortas em ataques israelenses em outras localidades, afirmaram médicos palestinos.

Hamas acusa Israel de "um ato de vingança sem precedentes" contra civis.

Mas o porta-voz militar de Israel, tenente-coronel Peter Lerner, afirmou à agência de notícias Associated Press que os ataques foram "um resultado direto da decisão do Hamas de situar sua infraestrutura terrorista na esfera civil, incluindo escolas, hospitais e arranha-céus".

Notícias relacionadas