O que as candidaturas de ex-BBBs dizem de nosso sistema eleitoral?

Montagem feita pela BBC Brasil
Image caption Nestas eleições, seis dos 14 campeões do Big Brother Brasil se candidataram

Eles participaram do reality show de maior audiência da televisão brasileira e venceram a competição com milhões de votos. Agora, tentam sair-se vitoriosos de mais uma votação popular: as eleições de 2014.

Quase metade dos 14 campeões do Big Brother Brasil, da Rede Globo, lançaram-se em campanha para se elegerem deputados.

Em São Paulo, se candidataram a deputado estadual Maria Melilo (PSC), vendora da 11ª edição, Kleber Bambam (PRB), ganhador da 1ª edição (ele retirou sua candidatura pouco antes da votação).

Diego Alemão (PV), campeão da 7ª edição, e Cida Santos, a vitoriosa na 4ª edição, tentam seus primeiros mandatos como deputados federais no Rio de Janeiro, onde Jean Wyllys (PSOL), ganhador da 5ª edição, tenta a reeleição para o mesmo cargo. Fael Cordeiro (PSB), que venceu a 12ª edição, é candidato a deputado estadual no Mato Grosso do Sul.

O próprio apresentador Pedro Bial, que comanda o programa desde a estreia, há 14 anos, disse à BBC Brasil duvidar de que algum dos novos candidatos ex-BBB se eleja e chegou a classificar o fenômeno de "distorção".

"Com exceção do Jean, que já tinha um perfil singular dentro do próprio programa, eles entram na categoria 'Tiririca' de candidaturas folclóricas, sem consequências políticas relevantes".

Mas há quem defenda o fenômeno como resultado de um dos sistemas eleitorais mais democráticos do mundo.

Qual sua opinião? Participe da discussão na nossa página no Facebook.

'Capital político'

O cientista político Antonio Carlos Alkmim, da PUC-RJ, discorda de Bial e acredita ser "perfeitamente possível que eles se elejam".

"O próprio reality show já tem um aspecto de seleção popular. É inegável que estas pessoas têm um capital político."

Alkmim lembra que candidaturas de celebridades também são comuns em outros países, como na Itália, onde a atriz pornô Cicciolina foi eleita deputada, e os Estados Unidos, onde o ator Arnold Schwarzenegger foi eleito governador da Califórnia.

"Não é porque uma pessoa é celebridade que ela não pode ganhar uma eleição. Mas depois a questão passa a ser: ela fez um bom mandato? Se não tiver feito, não conseguirá fazer carreira na política", diz Alkmim.

"Marta Suplicy é um exemplo. Era apresentadora de TV e, depois de atuar no Legislativo, acabou no Executivo. Os cargos legislativos acabam funcionando como uma triagem destes novos nomes da política."

Representatividade

Segundo o cientista político Carlos Pereira, da Fundação Getúlio Vargas, as candidaturas de celebridades vêm se proliferando devido a uma característica do sistema eleitoral brasileiro.

"Como não existem muitas restrições para que uma pessoa se candidate, nosso sistema acaba sendo um dos mais inclusivos do mundo, o que incentiva políticos não profissionais a se candidatarem", afirma Pereira.

Ele diz que, por causa do sistema proporcional brasileiro, em que a lista de candidatos eleitos de cada partido ou coligação é determinada pelo eleitor - e não pelos partidos -, "acaba sendo mais difícil e lento aprovar medidas importantes".

"No entanto, isso permite a representação no Legislativo dos mais diversos interesses da sociedade. É fantástico ter pessoas de todos os segmentos sociais. Se não fosse assim, pessoas como Marina Silva e Lula não teriam chegado aonde estão."

Já o apresentador Pedro Bial acredita que candidaturas de celebridades, como as de campeões do Big Brother Brasil, são um sintoma cultural de "distorções" do nosso sistema político-eleitoral.

"É curioso ver que, como o político tem tantos privilégios no Brasil, cargos parlamentares são vistos por celebridades como um modo de vida e uma forma de sobrevivência. Estas candidaturas são a prova mais bizarra de como a política no Brasil degringolou, a ponto de ex-participantes de reality show acharem que a notoriedade obtida com o programa os credencia a serem eleitos", afirma o apresentador.

"Nossas casas legislativas estão muito apequenadas por causa disso. É preciso fazer uma reforma política. Mas quem tem coragem de cortar na própria carne?"

Sem garantias

Ter vencido um Big Brother Brasil, no entanto, não é garantia de sucesso nas urnas. O ganhador da 3ª edição, Dhomini, se candidatou a vereador em Goiânia em 2008 e a deputado estadual em Goiás em 2010. Não foi eleito em nenhuma das vezes.

O próprio Jean Wyllys chegou ao cargo há quatro anos com uma votação popular pouco expressiva. Teve o apoio de apenas 13.016 eleitores. Ele só conseguiu a vaga graças à forma como são eleitos deputados - e vereadores - no Brasil.

Para cargos do Executivo, como o de Presidente da República, governador e prefeito - e também para senador, no Legislativo, é aplicado o sistema majoritário, em que o nome com mais votos sagra-se vencedor.

A eleição de deputados e vereadores segue o sistema proporcional, em que o número de votos em um partido (ou uma coligação) acaba determinando a quantidade de representantes que ele terá na instância legislativa - levando em conta o chamado quociente eleitoral.

No caso das eleições para deputado federal, esse quociente é calculado a partir da relação entre o número total de votos válidos de um Estado e quantas vagas este mesmo Estado tem direito na Câmara.

Em um Estado com 1 milhão de votos válidos e dez vagas na Câmara, seriam necessários 100 mil votos para um candidato se eleger.

Ao fim da disputa, os votos recebidos por cada partido ou coligação são divididos pelo quociente eleitoral. Se um partido tiver 200 mil votos em um Estado em que o quociente eleitoral é de 100 mil votos, a sigla terá direito a eleger os dois candidatos a deputado federal que receberam mais votos.

Wyllys se elegeu graças ao excelente desempenho de seu colega de partido Chico Alencar, que, com o apoio de 240.671 eleitores, foi o segundo mais votado para deputado federal no Rio de Janeiro em 2010.

O PSOL teve direito a duas vagas na Câmara. Willys havia sido o segundo candidato mais votado do partido - e, assim, conseguiu um mandato com apenas 0,2% dos votos válidos do Estado, a menor proporção registrada em todo o país na ocasião.

Isso não o impediu de se destacar na função. Em 2012 e 2013, Wyllys foi eleito o melhor deputado federal no prêmio da ONG Congresso em Foco. Agora, tenta um segundo mandato, desta vez acompanhado por outros cinco campeões do Big Brother Brasil.

Notícias relacionadas