Para especialistas, doutrinamento de jihadista brasileiro segue lógica de seita

Brian de Mulder (Facebook/ Reprodução) Direito de imagem Facebook
Image caption Brian de Mulder foi convencido pela organização Sharia4Belgium a lutar na Síria

A rápida radicalização de Brian De Mulder, o belga de origem brasileira que combate na Síria ao lado do Estado Islâmico, apresenta características de doutrinamento de seitas por parte do grupo radical islamista Sharia4Belgium, afirmam especialistas ouvidos pela BBC Brasil.

Analistas político-sociais e psicólogos foram unânimes ao considerar que a organização foi responsável pela transformação do adolescente católico em um muçulmano extremista e teve um papel crucial em sua decisão de participar do conflito sírio.

"A influência da Sharia4Belgium foi mais que provavelmente decisiva em sua opção de ir para a Síria", afirma o psicólogo Jean-Claude Maes, fundador da organização SOS-Sectes, que ajuda vítimas de seitas na Bélgica.

Segundo o psicólogo, De Mulder e outros belgas que seguiram o mesmo caminho se enquadram no perfil típico dos adeptos de seitas: pessoas, em geral, equilibradas, mas que passam por uma fase frágil ou de questionamento de identidade, algumas delas idealistas em busca de uma causa a servir.

De acordo com Hanifa Touag, socióloga especializada em islã, o Sharia4Belgium atuou como uma seita, isolando seus membros de suas famílias, reabilitando sua autoestima, proporcionando, na figura de seu líder, Fouad Belkacem, um "pai espiritual".

Leia mais: 'Prefiro meu filho na cadeia', diz mãe de jihadista brasileiro na Síria

Efeito de grupo

A organização ofereceu a esses jovens a "segurança de pertencer a um grupo social que deu sentido a suas vidas e respostas a suas questões naquele momento específico", observa Bilal Benyaich, cientista político-social autor de vários livros sobre o islã e a radicalização dos muçulmanos na Bélgica.

Direito de imagem AP
Image caption Como Brian, milhares de jovens ocidentais engrossaram as fileiras do chamado 'Estado Islâmico'

"Inicialmente não são as ideias do grupo que contam, mas sim a segurança que ele proporciona. É esse sentimento de pertencer que explica a radicalização hoje em dia, mais que a religião em si mesma. É o fenômeno psicológico normal de pensamento de grupo", concorda Rik Coolsaet, diretor do departamento de ciências políticas da Universidade de Gand e membro da Rede Europeia de Especialistas em Radicalização (ENER, na sigla em inglês).

"(Brian) estava procurando algo e encontrou a Sharia4Belgium. Poderia ter sido um grupo de motociclistas, de neonazistas", observa.

"Hoje em dia, se você quer ser antissistema, rebelde, para os jovens de origem imigrante o mais fácil é ser aceito em grupos salafistas (corrente conservadora do islã)", opina Benyaich.

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Uma vez estabelecida a confiança no grupo, tem início o que o psicólogo Maes chama de "fase de reconstrução".

"Seu antigo 'eu' deve 'morrer'. O adepto concede a sacrifícios porque acredita que se tornará melhor, mais autônomo. E, na verdade, torna-se mais e mais dependente", explica.

Evolução

Coolsaet ressalta que o discurso da Sharia4Belgium foi se tornando mais violento com o passar dos anos.

"Em 2010 (quando a organização foi criada) ninguém podia dizer que era um grupo terrorista. Eram pessoas em busca de um horizonte, de poder viver sua religião plenamente", analisa.

A radicalização do grupo, segundo Coolsaet, teria sido simultânea à de seus membros que se tornariam jihadistas.

Para o cientista político, os primeiros belgas que se somaram ao conflito sírio desconheciam o nível de violência ao que submeteriam.

Leia mais: Mãe vai à Turquia e convence filho a deixar 'Estado Islâmico'

"Em agosto de 2012, quando se teve notícia dos primeiros belgas indo pra Síria, não existia o Estado Islâmico no Iraque ou Levante. Os jihadistas belgas se organizavam entre si, sob a coordenação de 'emirs'. A situação evoluiu e eles aderiram aos grupos mais radicais, que defendem as mesmas ideias que eles", acredita.

O cientista político-social Bilal Benyaich rejeita essa tese: "Eles foram (à Síria) para fazer o jihad", afirma.

"Eles não saem daqui com um instinto assassino, mas se tornam assassinos se é preciso para poder alcançar o objetivo de ter um país 'realmente' muçulmano", afirma.

Para Maes, trata-se de uma perversão de valores e ideais.

"Eu diria até que a cultura ocidental contemporânea nos incita ao crime ao dizer que o fim justifica os meios", afirmou.

O psicólogo, que atendeu a alguns jihadistas que regressaram à Bélgica, observa que as famílias "se sentem, em geral, muito culpadas e traumatizadas", mas "não poderiam ter previsto" o que aconteceria com seus filhos.

"É muito difícil extrair um jovem desse tipo de relação. Depende de quão longe já foi o doutrinamento e do limite ético dessa pessoa. Normalmente o detonador é uma pessoa que representa algo para o adepto, em quem ele tem confiança, com experiência de rua", explica Coolsaet.

"Não subestime o poder desse tipo de doutrinamento que cria uma 'segunda família' onde todos se apóiam e se ajudam mutuamente", alerta Benyaich.

Notícias relacionadas