Manifestantes e polícia entram em confronto na sede do governo de Hong Kong

Getty Direito de imagem Getty
Image caption Manifestantes e policiais entraram em confronto perto de sede de governo de Hong Kong

Ativistas pró-democracia entraram em confronto com a polícia em Hong Kong neste domingo enquanto tentavam cercar a sede de governo.

Manifestantes carregando guarda-chuvas, símbolo do movimento, enfrentaram os policiais, que usaram spray de pimenta e cassetetes.

Os protestos ficaram mais violentos depois que a polícia começou a desmantelar um dos vários acampamentos estabelecidos pelos ativistas durante os dois meses de protestos em Hong Kong, que é uma região administrativa especial dentro da China.

Os manifestantes querem que o povo de Hong Kong escolha seus próprios líderes sem a interferência do governo da China.

Leia mais: Governador de Hong Kong acusa 'forças externas' de insuflar protestos

A China, por sua vez, afirma que vai permitir eleição universal para a região em 2017, com ressalvas.

As eleições de 2017 serão as primeiras em que os cidadãos da ex-colônia britânica poderão escolher diretamente seu governador. Mas os nomes terão de passar antes por um comitê especial apontado por Pequim.

Cercando o governador

Os protestos começaram com um comício no domingo no qual líderes estudantis disseram à multidão que vão aumentar sua campanha de oposição ao poder chinês em Hong Kong.

Leia mais: A China ignorou suas promessas de manter democracia em Hong Kong?

A polícia então atacou os manifestantes, tentando fazer a multidão recuar. Os manifestantes invadiram uma rua perto do gabinete do governador de Hong Kong, CY Leung.

"A ação visava paralisar a operação do governo. (...) Acreditamos que precisamos concentrar a pressão na sede de governo, o símbolo do poder do governo", disse o líder estudantil Alex Chow, segundo a agência de notícias Associated Press.

Este é apenas um dos últimos confrontos entre o movimento pró-democracia e a polícia. Na semana passada, mais de cem pessoas foram presas em um acampamento no bairro comercial de Mong Kok, quando a polícia dispersou os ativistas.