Dilma anuncia Kassab, Katia Abreu e outros 11 novos ministros

Crédito: Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Dilma anuncia 13 nomes para ministérios de seu novo mandato

Após amplas negociações com partidos da base aliada, a presidente Dilma Rousseff anunciou nesta terça-feira os titulares de 13 ministérios de seu segundo mandato.

Um dos mais polêmicos é o da senadora Katia Abreu (PMDB-TO), que será a nova titular da pasta de Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Abreu já foi apelidada de "rainha da motosserra" e "miss desmatamento" pela ONG Greenpeace e tem um longo histórico de controvérsias com grupos ambientalistas e movimentos sociais.

Leia mais: Dilma confirma escolha polêmica para Agricultura: saiba por quê

A um ano e meio da Olimpíada, o PC do B perdeu para o PRB a pasta dos Esportes.

O atual ministro, Aldo Rebelo (PC do B - SP) passará para o ministério de Ciência e Tecnologia, sendo substituído nos Esportes por George Hilton (PRB-MG) que, segundo o site da Câmara, é "radialista, apresentador de televisão, teólogo e animador" - ele faz parte da Igreja Universal do Reino de Deus e tem um programa na TV Record desde 1994.

Dilma indicou o atual governador do Ceará, Cid Gomes (PROS), para ser o novo ministro da Educação no lugar de José Henrique Paim.

O governador da Bahia, Jacques Wagner (PT-BA), que deixa o cargo no fim desse ano, será o novo ministro da Defesa, e Ricardo Berzoini passará da Secretaria de Relações Institucionais para a pasta das Comunicações.

O ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), fica com o ministério das Cidades e Eduardo Braga (PMDB), atual líder do governo no Senado, vai para a pasta de Minas e Energia.

Leia mais: Levy é confirmado para Fazenda, mas analistas questionam se terá autonomia

O novo titular da Pesca será Helder Barbalho (PMDB), filho do ex-governador do Pará, Jáder Barbalho - Helder chegou a concorrer à eleição para o governo paraense neste ano, mas perdeu para Simão Jatene (PSDB).

O PMDB, partido com maior número de cadeiras no Senado e que tem a segunda maior bancada na Câmara, vai ficar com um total de seis ministérios por enquanto, um a mais que no primeiro mandato de Dilma.

Há algumas semanas Dilma anunciou que Joaquim Levy - secretário de Política Econômica durante o primeiro governo Lula - será o novo ministro da Fazenda e que Nelson Barbosa (ex-número dois do ministério) irá para o Ministério do Planejamento.