Jornal que publicou charges da revista Charlie Hebdo é alvo de incêndio

Bombeiros trabalham no edifício do Morgenpost Direito de imagem AP
Image caption Jornal de Hamburgo reproduziu charges produzidas por revista satírica Charlie Hebdo

Um jornal alemão que republicava charges e conteúdo produzido pela revista satírica francesa Charlie Hebdo foi alvo de um ataque incendiário na madrugada deste domingo. Ninguém se feriu e o fogo foi rapidamente controlado.

Segundo a correspondente da BBC na Alemanha, Jenny Hill, suspeitos atiraram pedras e um objeto em chamas contra o edifício do jornal Morgenpost, em Hamburgo.

O objeto em chamas atravessou uma das janelas e deu início a um pequeno incêndio, que acabou sendo controlado rapidamente. O periódico afirmou que alguns documentos foram queimados.

Leia mais: Milhares vão às ruas em memória de vítimas de ataques na França

Segundo autoridades locais, duas salas do edifício foram danificadas.

O Morgenpost republicou imagens do profeta Maomé que haviam sido produzidas pela Charlie Hebdo. Charges teriam sido publicadas após o atentado à revista que deixou 12 pessoas mortas em Paris, na quarta-feira.

Em um artigo publicado na internet neste domingo, o Morgenpost afirmou que ainda não é possível saber com certeza se a tentativa de incêndio está ligada à publicação do conteúdo da Charlie Hebdo.

A polícia de Hamburgo deteve dois jovens para averiguação próximo ao local do ataque. Eles teriam apresentado comportamento suspeito.

Paris

Na capital francesa, mais de um milhão de pessoas e cerca de 40 chefes de Estado e de governo devem participar neste domingo de uma marcha em homenagem às 17 vítimas mortas em três dias de ataques extremistas, na semana passada.

Familiares das vítimas devem encabeçar o ato. Entre as autoridades esperadas estão o premiê britânico David Cameron, a chanceler (premiê) alemã Angela Merkel, o líder palestino Mahmoud Abbas e o premiê israelense Benjamin Netanyahu.

A marcha deve partir por volta das 15h (meio-dia, no horário de Brasília) da Place de la Republique, no centro de Paris.

Mais de dois mil policiais e 1350 militares estão sendo posicionados para garantir a segurança da população e das autoridades. Organizadores esperam que o ato seja um dos maiores da história recente da França.