Quanto avançou a luta contra o 'Estado Islâmico?'

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Ofensiva contra Estado Islâmico na Síria e no Iraque começou há sete meses, mas ainda é cedo para apontar vitoriosos, dizem analistas

O vídeo do autodenominado "Estado Islâmico" que supostamente mostra um militar jordaniano sendo queimado vivo reabriu o debate sobre os avanços e limites da guerra que levou a formação de uma coalizão internacional contra o grupo.

Na guerra nos campos militares e da informação, o vídeo pode ser entendido como uma batalha entre tantas outras.

As imagens, cuja autenticidade não pode ser confirmada, seriam de Moaz al-Kasasbeh, o piloto capturado pelo grupo quando seu avião caiu na Síria durante uma missão de apoio à coalizão.

Dias antes, o "Estado Islâmico" veiculou a notícia da decaptação do refém japonês Kenji Goto, levando Tóquio a anunciar maior apoio aos países que combatem o grupo, principalmente no Iraque e na Síria.

Leia mais: O Estado Islâmico vai substituir o Talebã no Afeganistão?

Nesse contexto, um grande ataque na capital líbia, Tripoli, realizado por militantes leais ao Estado Islâmico, levou analistas a alertar para o alcance do grupo no norte da África.

Mas, ao mesmo tempo, o Estado Islâmico perdeu uma importante batalha na cidade síria de Kobane, retomada por forças curdas na semana passada com ajuda dos Estados Unidos.

Durante vários meses, Kobane havia se tornado um ponto-chave na batalha: a região foi alvo de grande parte dos ataques aéreos americanos contra o EI.

Recrutamento

A violência, as decapitações e as ameaças do "Estado Islâmico" têm o claro objetivo de chocar a opinião pública global e enviar uma forte mensagem política a Washington. No caso de Kasasbeh, a mensagem também teve natureza militar pois, diferentemente da maioria dos reféns decapitados - em sua maioria civis -, o piloto participou de operações da coalizão.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Morte de Kenji Goto emocionou o Japão

O Estado Islâmico também tem uma força considerável nos países onde atua. Algumas estimativas sugerem que controla um terço do Iraque e da Síria, além de ter grupos fiéis em países como a Líbia.

"Não conseguimos expulsá-los de partes significativas de território", disse à BBC Thomas Sanderson, co-diretor do projeto de ameaças transnacionais do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS, na sigla em Inglês), em Washington.

Leia mais: Por que a violência extremista cresceu em 2014?

Sanderson diz que houve um aumento no número de combatentes estrangeiros ligados ao grupo: de 15 mil há alguns meses para 19 mil.

"O fluxo de combatentes estrangeiros provenientes do mundo árabe e de outras áreas é uma prova da força da contranarrativa do 'Estado Islâmico' e sua capacidade de converter soldados em máquinas de morte leais, prontos para dar a vida pelo grupo", disse à BBC Fawaz Gerges, professor da London School of Economics and Policial Science (LSE) de Londres.

Guerra de longo prazo

O governo americano reconheceu na terça-feira que o "Estado Islâmico" tem grande "habilidade" para recrutar e admitiu que este será um problema de longo prazo para a guerra.

"Nós sabemos que eles são capazes de convocar mais pessoas para lutar", disse o secretário de imprensa do Pentágono, almirante John Kirby.

Mas isso não significa, necessariamente, que o grupo jihadista esteja vencendo a guerra. Na verdade, os EUA acreditam terem avançado consideravelmente desde o início das operações no ano passado.

Leia mais: O que é o jihadismo?

Em seu recente discurso sobre o Estado da União, no Congresso, o presidente Barack Obama disse que seu país está impedindo o avanço da milícia através da coalizão aérea militar e do apoio à oposição moderada na Síria.

Autoridades americanas também ficaram satisfeitas com a retomada do controle de 90% do Kobane.

O Comando Central do Exército, que lidera as operações no Iraque e na Síria, disse que, embora a guerra esteja longe de terminar, a derrota do "Estado Islâmico" em Kobane mostra que o grupo abriu mão de um de seus objetivos estratégicos, e teve sua capacidade afetada.

"A tenacidade das forças contra o 'Estado Islâmico', bem como os ataques aéreos da coalizão, têm degradado a capacidade do grupo para comandar e controlar forças; recrutar, treinar e reter combatentes; obter receitas provenientes da venda de petróleo; e manter sua moral", disse o comunicado.

Mas eles também acreditam que, sete meses depois do início da ofensiva, ainda falta muito para vencer o grupo. Kirby disse na semana passada que a guerra pode durar entre três e cinco anos.

"No campo de batalha não há claramente nenhum vencedor nem ganhador", avalia Jonah Blank, analista da Rand Corporation, um centro de estudos com sede na Califórnia.

Notícias relacionadas