Boko Haram 'mata 70' em cidade na fronteira de Camarões

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Boko Haram vem realizando ataques violentos a cidades na Nigéria e em Camarões

Militantes do Boko Haram teriam matado ao menos 70 pessoas em um ataque a Fotokol, cidade em Camarões na fronteira com a Nigéria.

Civis foram atacados em suas casas e em uma mesquita, segundo autoridades locais, além de terem incendiado diversos locais na região.

O ataque ocorreu um dia após forças de segurança regionais terem afirmado que expulsaram militantes de uma cidade nigeriana próxima a Fotokol.

Leia mais: Boko Haram: como os militantes nigerianos ficaram tão poderosos?

A insurgência do Boko Haram deixou deixou milhares de mortos nos últimos seis anos.

Mais de 1 milhão de pessoas abandonaram suas casas no nordeste da Nigéria, onde o grupo avança.

Dezenas de mortos

Direito de imagem AFP
Image caption Mais de 1 milhão de pessoas estão refugiadas por causa de ataques dos militantes

Moradores de Fotokol entrevistados pela agência de notícias AFP disseram que militantes mataram muitas pessoas cortando suas gargantas.

"O Boko Haram causou muitos danos aqui nesta manhã", disse por telefone Umar Babakalli, morador de Fotokol. "Eles mataram dezenas de pessoas."

Leia mais: Boko Haram: o que aconteceu em Baga?

A mesquista da cidade teria sido incendiada.

Os militantes acabaram sendo expulsos por soldados camaronenses com o apoio de militares do Chade, que fazem parte de forças de segurança regionais em Gamboru, cidade nigeriana próxima.

Críticas

Direito de imagem none
Image caption Soldados do Chade estão na Nigéria e em Camarões para auxiliar na luta contra o Boko Haram

Na terça-feira, o Exército do Chade disse ter matado mais de 200 militantes em uma batalha para reassumir o controle de Gamboru.

No entanto, alguns militantes escaparam do ataque.

Soldados do Chade estão na Nigéria e em Camarões para ajudar na luta contra o Boko Haram.

Isso ocorreu depois que o Exército nigeriano foi duramente criticado por não conseguir conter os insurgentes.

Notícias relacionadas