Ucrânia: apesar de combates, cessar-fogo é mantido, dizem líderes europeus

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Líderes da Europa afirmaram que o cessar-fogo está sendo 'geralmente' obedecido

Líderes da Alemanha e da França afirmaram neste domingo que acreditam que o cessar-fogo na Ucrânia está sendo "geralmente" obedecido, segundo uma declaração do gabinete da presidência da França.

No entanto, os líderes dos dois países, que ajudaram a fechar o acordo para a trégua, afirmaram que "incidentes locais" devem ser resolvidos "rapidamente".

Na declaração, a presidência da França afirma que os líderes dos quatro países que negociaram o cessar-fogo na semana passada, França, Alemanha, Ucrânia e Rússia, voltaram a negociar neste domingo.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Françoise Hollande, conversaram com o presidente russo, Vladimir Putin, e com o presidente ucraniano, Petro Poroshenko.

Eles concordaram em avançar e implementar a próxima fase do acordo fechado em Minsk, segundo a declaração divulgada neste domingo.

Leia mais: Intensidade de combates diminui na Ucrânia após cessar-fogo

Segundo o acordo, a suspensão das hostilidades é apenas o primeiro passo. O segundo dia do cessar-fogo deve ter também o início da retirada de armas pesadas para criar zonas desmilitarizadas que devem ter entre 50 e 140 quilômetros de largura.

Analistas afirmam que tréguas anteriores pareciam inicialmente ter conseguido o fim dos confrontos, mas depois, fracassaram. Segundo eles, as próximas 48 horas serão críticas.

As autoridades afirmam que mais de 5,4 mil pessoas foram mortas desde que o conflito começou no leste da Ucrânia em abril. Mas a ONU acredita que este número pode ser muito maior.

Bombardeio

O bombardeio continuou neste domingo na cidade de Debaltseve, controlada pelo governo, mas sitiada pelas forças rebeldes.

No entanto, a intensidade dos confrontos na região diminuíram desde o início do cessar-fogo na meia-noite de sábado.

Os rebeldes partidários da Rússia já tinhan dito que tinham o direito de disparar suas armas na cidade, pois acreditam que o território pertence a eles.

Leia mais: Quem será mais favorecido pelo acordo de paz na Ucrânia?

Por outro lado, um porta-voz militar do governo da Ucrânia afirmou que os soldados já foram alvos de disparos 60 vezes desde o início da trégua, segundo a agência de notícias AFP.

O porta-voz afirmou que Debaltseve é o local onde está ocorrendo a maioria dos confrontos.

A cidade, um centro de transportes importante, é o cenário de algumas das batalhas mais violentas na zona de conflito nas últimas semanas. E os confrontos na cidade parecem ser a principal ameaça ao cessar-fogo.