Intensidade de combates diminui na Ucrânia após cessar-fogo

Blindados ucranianos próximo a Debaltseve (Foto: Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Rebeldes dizem ter cortado linhas de suprimento ucranianas para Debaltseve, mas governo nega

Os combates no leste da Ucrânia diminuíram de intensidade mas não pararam desde a entrada em vigor de um cessar-fogo na noite de sábado.

Representantes do governo da Ucrânia e dos separatistas afirmaram que houve episódios de bombardeio, especialmente na região da cidade de Debaltseve – controlada pelo governo, mas sitiada pelas forças rebeldes.

Leia mais: Presidente da Ucrânia determina cessar-fogo

O cessar-fogo é parte de um acordo de paz firmado na última quinta-feira pelos líderes da Rússia, Ucrânia, Alemanha e França. Ele entrou em vigor oficialmente à meia-noite de sábado (20h de Brasília).

Horas antes da entrada em vigor da trégua, houve uma intensificação na batalha por Debaltseve.

A embaixada americana na Ucrânia chegou a divulgar fotos de satélite mostrando unidades de artilharia russas posicionadas próximo à cidade. Antes da assinatura do acordo, a Casa Branca havia informado que estudava fornecer armas para as forças ucranianas.

Moscou nega estar suprindo os separatistas com armas e tropas.

Leia mais: A Ucrânia está perto da 'guerra total'?

Analistas afirmam que as primeiras 48 horas após o início do cessar-fogo são cruciais para se ter ideia se ele será ou não cumprido.

O presidente ucraniano Petro Poroshenko havia ordenado que suas tropas cumprissem a trégua, mas também advertiu que o país “não oferecerá a outra face” se o acordo for violado.

Logo que o cessar-fogo entrou em vigor ele disse em um pronunciamento de TV que os defensores de Debeltseve haviam sido reabastecidos de munição.

Autoridades locais dizem que mais de 5.400 pessoas foram mortas desde que o conflito começou em abril, mas as Nações Unidas dizem que o número deve ser muito maior.

"Última chance"

Direito de imagem AFP
Image caption Governo ucraniano e separatistas se acusam de bombardeios localizados

Na manhã de domingo, o porta-voz militar da Ucrânia Vladyslav Seleznyov disse que a trégua estava sendo "em geral observada".

"Os bombardeios (realizados pelos rebeldes) não estão sendo regulares e (têm sido) localizados", afirmou à agência Reuters.

Autoridades ucranianas também disseram ter repelido ataques posteriores à trégua, em Mariupol.

Leia mais: Quem será mais favorecido pelo acordo de paz na Ucrânia?

Um porta-voz dos rebeldes também afirmou que a trégua vem se mantendo. "O cessar-fogo está sendo cumprido, mas a artilharia inimiga está bombardeando nossas posições perto de Debaltseve", disse Eduard Basurin à agência russa Interfax. Ele também acusou o governo de ataques de artilharia perto da cidade de Vuhlehirsk.

Em seu pronunciamento de TV, Poroshenko disse ter esperanças de que "talvez a última chance (para se obter a paz) não seja perdida". Ele disse que "o acordo tem que ser honrado".

O presidente ucraniano disse também que a situação em Debaltseve é "alarmante". Milhares de militares ucranianos defendem a cidade há dias de ofensivas rebeldes.

Os separatistas afirmaram que as linhas de suprimento para a cidade foram cortadas, mas a informação foi negada pelo governo.

Lideranças europeias ameaçam elevar as sanções contra a Rússia se o acordo de paz não for respeitado.