Papa irrita México ao dizer que Argentina pode se 'mexicanizar'

AP Direito de imagem AP
Image caption Papa Francisco se referia à violência causada pelo narcotráfico

O papa Francisco provocou protestos do México ao dizer que a Argentina corre o risco de se "mexicanizar" devido ao avanço do tráfico de drogas.

A declaração está em uma carta enviada pelo pontífice ao político e ativista Gustavo Vera, da ONG argentina La Alameda, com a qual o papa já colaborou no passado.

"Oxalá ainda tenhamos tempo de evitar a mexicanização. Estive falando com alguns bispos mexicanos e a coisa é aterrorizante", escreveu o papa.

O governo do México disse que enviará uma nota diplomática ao Vaticano em resposta a esta declaração.

Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores do México, José Antonio Meade, disse que se reuniu com o núncio apostólico no México, Christopher Pierre, para expressar a "tristeza e preocupação" do governo mexicano com o comentário do papa.

Leia mais: Para conservadores nos EUA, papa é 'marxista' e 'ambientalista radical'

O chanceler mexicano afirmou ao núncio que o problema do tráfico de drogas é um "desafio compartilhado" com outros países e, para combatê-lo, o México tem realizado nos últimos anos uma batalha intensa.

"Mais do que tentar estigmatizar o México ou qualquer outra região dos países latino-americanos, o que (o papa) deveria (fazer) era procurar abordagens melhores, espaços de diálogos melhores e maiores espaços de reconhecimento dos esforços que México e América Latina fazem a respeito de um tema que muito nos preocupa", disse Meade.

Já na Argentina, a comparação causou pouca polêmica, segundo correspondentes.

Outras comparações

Juan Carlos Pérez Salazar, correspondente da BBC Mundo no México, lembrou que uma polêmica semelhante ocorreu em 2012, quando foi realizado, no país, um seminário chamado "Colombianização do México, mexicanização da Colômbia".

Leia mais: Católicos não devem se reproduzir 'como coelhos', aconselha o papa

De acordo com o correspondente, os dois países não gostaram das comparações - mas ambos tem problemas semelhantes como a forte penetração do narcotráfico na sociedade, altos índices de violência e corrupção e perda de controle sobre alguns territórios.