Jovem muçulmana diz que islâmicos usam 'homens atraentes' em recrutamento

Miliantes muçulmanos Direito de imagem AFP
Image caption Grupos radicais como al-Shabab estariam usando militantes "atraentes" no recrutamento feminino

Uma militante radical muçulmana reabilitada afirma que grupos jihadistas estão usando homens atraentes como forma de recrutamento feminino.

Em entrevista ao jornal televisivo Newsnight, da BBC, a ex-militante, identificada pelo nome falso Ayesha, contou ter sido cooptada por extremistas quando tinha apenas 16 ou 17 anos, por meio de um flerte via Facebook.

O homem teria elogiado sua beleza, mas recomendado que ela cobrisse o rosto com um véu.

Leia mais: Fuga de britânicas reacende polêmica sobre as "noivas jihadistas"

Ayesha também contou ter visto uma série de vídeos de propaganda mostrando "militantes bonitos".

"Por alguma razão, todos os vídeos tinham apenas militantes realmente atraentes. Era algo bem glamouroso. Do tipo 'Uau, posso namorar alguém que é da mesma religião que a minha e não é necessariamente da mesma etnia'. Era algo bem excitante", explicou ela.

"Dava vontade de ficar com ele antes que ele morresse".

Ayesha, britânica nascida na região central da Grã-Bretanha, foi "radicalizada" antes do surgimento do "Estado Islâmico". Ela se tornou simpatizante dos grupos al-Qaeda e al-Shabab, este último operando majoritariamente na África. Seu doutrinamento invariavelmente propagava a noção de que os britânicos eram inimigos.

"Nos sermões, éramos encorajados a pensar que não éramos britânicos e a ver a Grã-Bretanha com uma nação infiel e que era nossa inimiga por matar muçulmanos", contou a mulher.

Leia mais: Bairro de Londres busca respostas para fuga de estudantes para Síria

Ayesha, porém, começou a se afastar do radicalismo quando ouviu argumentos de que mulheres não deveriam ter direitos e que era um dever de muçulmanos matar fiéis de outras crenças.

Para a mulher, militantes icônicos como John o Jihadista, o militante britânico supostamente responsável pela decapitação de reféns do "EI", seria considerado um ídolo por seus antigos colegas de radicalismo.

"Certamente considerariam ele (John) um modelo a seguir".

Leia mais: "Jihadista John" era solitário e frio, relata ex-militante do "EI"

O depoimento de Ayesha surge num momento em que há uma discussão grande na Grã-Bretanha sobre a questão das "noivas jihadistas", jovens mulheres que fogem para regiões como a Síria e o Iraque para servirem de companheiras para militantes.

Há duas semanas, três adolescentes londrinas, todas alunas exemplares de uma escola secundária da capital, tomaram o rumo da Turquia para se juntar ao "Estado Islâmico" na Síria.

Veja também na BBC Brasil:

Fuga de britânicas reacende polêmica sobre as "noivas jihadistas"

Direito de imagem Reuters