Atletas do futebol americano doam cérebro para pesquisas sobre lesões

Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Sidney Rice (esq.) assina o acordo para a doação de seu cérebro para pesquisas com a ajuda de Steve Weatherford

Duas estrelas do futebol americano prometeram doar seus cérebros para pesquisas médicas depois de morrerem.

Steve Weatherford, do New York Giants, e Sidney Rice, que jogava pelo Seattle Seahawks, tomaram a decisão para apoiar as pesquisas sobre lesões no cérebro.

Muitos ex-jogadores de futebol americano sofrem com problemas e doenças causadas por lesões desse tipo.

"Existem muitas questões relacionadas a lesões no cérebro e não apenas (com relação a) atletas profissionais. Isto afeta todo mundo", disse Weatherford.

Sidney Rice venceu o Super Bowl, o campeonato da NFL (liga profissional de futebol americano), em 2014 e em seguida decidiu se aposentar, aos 27 anos, porque teme pelo futuro de sua saúde. O jogador já levou muitos golpes na cabeça.

Leia mais: EUA: Celebração em jogo de futebol vira dor de cabeça para presidenciável

Rice e Weatherford afirmam que esperam que sua doação estimule outras pessoas a participarem de pesquistas sobre lesões cerebrais.

Direito de imagem Reuters
Image caption Jogadores de futebol americano podem sofrer várias concussões durante a carreira

Cerca de 4,5 mil ex-jogadores estão processando a NFL devido a lesões na cabeça sofridas durante suas carreiras. Um acordo de cerca de US$ 1 bilhão (aproximadamente R$ 2,8 bilhões) pode ser fechado em breve.

"Muitos dos meus colegas de time e muitos amigos próximos já enfrentaram concussões e a depressão que vem com isso", afirmou Weatherford.

Leia mais: Riscos a atletas abalam início da temporada de futebol americano

Os dois atletas fizeram o anúncio da doação juntos para marcar o Mês de Conscientização sobre Lesões Cerebrais nos Estados Unidos.

Rice estima ter sofrido entre 15 e 20 traumatismos cranianos durante sua carreira no futebol americano. Ele começou a jogar aos oito anos de idade.

"Me diverti o bastante na NFL. Infelizmente, não recebi a educação necessária (para saber) o que as concussões podem causar. Os estudos do cérebro feitos pelos médicos serão muito importantes para ajudar, talvez até prevenir (problemas)", afirmou Rice.