Argentina: Investigadores privados dizem que promotor foi assassinado

Direito de imagem Reuters
Image caption Sandra Arroyo é ex-mulher de Nisman e questionou as investigações oficiais

Um grupo de peritos independentes contratados pela família de Alberto Nisman, encontrado morto com um tiro na cabeça em janeiro passado, concluiu que o promotor argentino foi assassinado.

Sandra Arroyo Salgado, ex-mulher do promotor, disse em uma entrevista coletiva em Buenos Aires, nesta quinta-feira, que as análises mais recentes feitas pelos peritos confirmaram que não havia rastros de pólvora em nas mãos de Nisman e descartam a possibilidade de suicídio.

Outras conclusões são de que o disparo foi na parte traseira da cabeça e de que o corpo foi movido quando Nisman já estava morto (informação que não constava do relato da promotora Viviana Fein, encarregada da investigação).

O promotor investigava o atentado contra o centro judaico Amia, em 1994, e havia acusado a presidente Cristina Kirchner de ter acobertado um suposto envolvimento do Irã no episódio.

Questionamentos

Os peritos fizeram suas análises com base em vídeos e documentos da autópsia, a pedido de Arroyo, que é juíza federal e que questionou a condução oficial das investigações.

Leia mais: Cristina escapa de ser indiciada, mas caso Nisman ainda atormenta o governo

"A morte violenta só admite três hipóteses: acidente, suicídio ou homicídio. Descartamos os dois primeiros com contundência. Nisman foi vítima de um homicídio, sem dúvida", disse ela.

Direito de imagem AP
Image caption Nisman (homenageado em cartaz acima) investigava atentado contra centro judaico

A juíza encarregada do caso, Fabiana Palmaghini, ainda tem de se pronunciar quanto a se aceita ou rejeita a perícia independente, que contradiz alguns pontos dos relatos oficiais.

A promotora Viviana Fein ainda não descarta totalmente a hipótese de suicídio.

Consultada pela imprensa a respeito da perícia encomendada por Arroyo, Fein afirmou nesta quinta-feira que "nada permite que se afirme hoje de maneira categórica que tenha sido um suicídio ou um homicídio".

O novo relatório e suas contradições com as investigações oficiais despertam mais incerteza em um caso envolto em mistério.

Enquanto para a Promotoria a morte ainda tem causas duvidosas, a família de Nisman afirma que a única grande interrogação é quem matou o promotor.