Loja transforma ‘achados e perdidos’ em mina de ouro

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Loja em Zurique recebe cerca de 8 mil objetos perdidos por mês

Óculos, brinquedos, guarda-chuva, skates... Grande parte dos objetos esquecidos no transporte público da Suíça acaba nas mãos de um só homem.

"Todo mês recebemos cerca de 8 mil objetos perdidos", diz Roland Widmer, puxando uma das caixas mais pesadas de sua loja em Zurique. "O que mais temos são óculos. Recebemos uns 20 pares por dia."

Widmer é o diretor da Fundsacheverkauf (ou venda de objetos perdidos), uma empresa criada em 2005 para aliviar a superlotação departamentos de “achados e perdidos” de diversos setores do serviço público do país.

E a loja se tornou um surpreendente sucesso. Para cada caixa de objetos que ele recebe de parceiros como o aeroporto da cidade, paga uma taxa fixa.

É claro que há muito lixo, mas também há muitos tesouros.

"No momento, temos uma pulseira de diamantes avaliada em US$ 17 mil", diz Widmer.

Roupas de grife, óculos, laptops e até instrumentos musicais também são muito encontrados nos locais públicos de um dos países mais ricos do mundo. As caixas vindas do aeroporto são as melhores.

"Há objetos de maior qualidade", conta.

Leia mais: De dentaduras a implantes para seios, objetos estranhos são achados no transporte público de Londres

Celulares e chaves

Na Suíça, há um prazo de até três meses para se reivindicar itens perdidos, dependendo de seu valor. Os mais baratos vão para a Fundsachenverkauf em um mês, enquanto os de valor superior ao equivalente a U$ 50 seguem o mesmo caminho apenas depois de três meses.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption No comando da loja, Roland Widmer destaca o papel de reciclagem exercido pelo estabelecimento

A companhia de trens do país, a SBB, coletou só no ano passado mais de 100 mil objetos perdidos. Celulares, chaves e carteiras estão entre os mais comuns.

Leia mais: Ossada de monstro pré-histórico é achada em gaveta de museu

Foi a SBB que bancou a loja há dez anos, quando, a proposta de Widmer venceu um concurso da empresa que buscava soluções para lidar com seu abarrotado departamento de "achados e perdidos".

Entre suas aquisições mais incomuns estão um uniforme de prisão, um urna e uma prótese de perna. Mas seu objeto preferido é um anel com veneno dentro. "E com isso você pode matar seu marido", diz, brincando.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Pelo que a loja recebe, óculos são os objetos mais perdidos na Suíça; 'Recebemos 20 por dia', conta o proprietário

Vez ou outra, Widmer tem dificuldade de se desapegar de algumas mercadorias. "Eu coleciono objetos que sejam genuinamente extraordinários. Então, quando eu vejo um conjunto de limpadores de chaminés como recebemos outro dia…”

No fundo da loja, três funcionários trabalham para restaurar os objetos, seja limpando a memória de um notebook ou de um celular, consertando objetos ou recriando outros, a partir de joias quebradas, por exemplo.

Leia mais: Menino encontra espada de 3 mil anos

"Com o nosso negócio, executamos um trabalho de reciclagem muito importante. E reciclar é – para hoje e para o futuro – algo crucial."

Alguns dos itens são doados para caridade. Outro – como um anel Bulgari, um tabuleiro de xadrez feito à mão e vários MacBooks – são vendidos em leilões online.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Na Fundsachenverkauf são encontrados itens curiosos esquecidos no transporte público suíço

Mas muito mais divertido do que ver fotos dos objetos em sites é visitar pessoalmente o labirinto de curiosidades da loja em Zurique, onde bicicletas estão penduradas no teto, luvas estão presas por toda a parte, assim como todo o tipo de instrumento musical – tudo "observado" por uma máscara do carnaval de Veneza encostada em uma das prateleiras.