O que se sabe sobre o acidente de avião que matou 150 nos Alpes franceses

(Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Aeronave partiu de Barcelona com destino a Düsseldorf; causas do acidente ainda não são conhecidas

Um avião com 150 pessoas a bordo ─ entre elas 144 passageiros ─ caiu nesta terça-feira nos Alpes franceses. Não houve sobreviventes.

A aeronave ─ um Airbus A320 ─ da companhia aérea alemã de baixo custo Germanwings viajava de Barcelona a Dusseldorf sem escalas. As causas da tragédia ainda não são conhecidas.

O avião caiu após permanecer oito minutos em trajetória descendente. Aparentemente o aparelho não enviou um sinal de emergência.

Horas depois do acidente, as autoridades francesas informaram que a primeira caixa-preta do avião foi encontrada nas proximidades do local da queda.

As buscas pelos corpos das vítimas recomeçaram na manhã desta quarta-feira, mas autoridades afirmaram que a operação de resgate pode durar dias, já que ocorre em uma área montanhosa isolada, em Meolans-Revels.

A polícia disse à agência de notícias AFP que as buscas devem durar pelo menos uma semana -e a operação para repatriar os corpos deve demorar ainda mais.

Mais de 300 policiais e 380 bombeiros foram mobilizados para a operação, além de um grupo de 30 agentes especializados em resgates nas montanhas.

"Esse é o momento em que todos nós sentimos profunda tristeza", afirmou a chanceler alemã Angela Merkel a jornalistas. Ela afirmou que viajará ao local do acidente na quarta-feira.

Em sua conta no Twitter, o presidente da França, François Hollande, disse: "Eu quero expressar às famílias das vítimas deste acidente aéreo toda a minha solidariedade. É um luto, uma tragédia".

Falando da Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que "nossos pensamentos e nossas orações estão com nossos amigos na Europa".

"Trata-se de uma notícia desoladora porque inclui a perda de crianças", disse Obama, antes de iniciar uma entrevista conjunta a jornalistas com o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani.

Leia mais: Acidente na França: voar está mais perigoso?

Leia mais: Os maiores desastres aéreos dos últimos dez anos

Leia mais: Conheça o local da queda do voo da Germanwings

A BBC listou o que se sabe até agora sobre o acidente.

O que aconteceu?

O Airbus caiu em uma região montanhosa remota, próximo ao popular resort de esqui Pra Loup, nos Alpes franceses.

O tempo na região estava bom no momento do acidente, mas há previsões de neve para quarta-feira.

As causas do acidente ainda não são conhecidas, mas segundo o correspondente da BBC Richard Westcott, uma falha mecânica estaria provavelmente por trás da tragédia.

Uma das duas caixas-pretas foi encontrada no local do acidente e será encaminhada a investigadores na esperança de que possa esclarecer os motivos da queda.

Cada avião carrega duas caixas-pretas ─ uma grava a comunicação entre os pilotos na cabine e a outra registra os dados do voo. Ainda não se sabe qual das duas foi encontrada.

Equipes de resgate conseguiram chegar até a localidade no fim da tarde desta quarta-feira (horário local). Os destroços foram localizados via helicóptero, mas não há acesso por estrada à localidade.

Uma autoridade local afirmou que os destroços da aeronave estão espalhados em uma área de cerca de 200 metros de diâmetro e que tudo está "pulverizado". Os maiores pedaços da fuselagem do avião seriam do tamanho de um carro.

Equipamentos estão sendo levados ao local do acidente para que as operações de resgate possam continuar.

Um necrotério temporário foi instalado no centro desportivo de uma cidade próxima, Seyne-les-Alpes, de onde partem as equipes de resgate.

Leia mais: Espanhol adianta viagem em um dia e escapa de acidente aéreo nos Alpes

Leia mais: Modelo de avião que caiu na França é conhecido por eficiência; conheça outros acidentes com o A320

O avião

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Avião da companhia aérea alemã Germanwings era um dos Airbus A320s mais velhos em operação

O avião era um dos A320s mais velhos em operação. A aeronave começou a ser usada pela companhia aérea alemã Lufthansa -dona da Germanwings - em 1991.

Especialistas ouvidos pela BBC disseram, porém, que aeronaves são fabricadas para voar por até 40 anos.

Segundo relatos, o comandante era um piloto experiente e já trabalhava para a Germanwings havia 10 anos.

Dados do site Flightradar24, que rastreia o tráfego aéreo ao redor do mundo em tempo real, apontam que o Airbus inicialmente subiu para uma altitude de 38 mil pés, a velocidade de cruzeiro, antes de começar a descer rapidamente.

O contato com as autoridades em solo foi perdido quando o avião alcançou 6,8 mil pés, às 10h53.

Mais cedo, relatos sugeriam que o avião havia emitido um sinal de socorro às 10h47, hora local (6h47 de Brasília), mas as autoridades alemães confirmaram posteriormente que o alerta havia sido transmitido pelo controle de tráfego aéreo quando perderam contato com a aeronave.

O Flightradar24 disse que o Airbus desceu a um ritmo de cerca de 3 mil a 4 mil pés por minuto, velocidade-padrão para a preparação para pouso.

A queda do avião durou oito minutos antes de o contato ser perdido.

As autoridades alemãs afirmam não ter ainda uma indicação clara sobre por que o avião começou a perder altitude.

Leia mais: Estudantes e professores de escola alemã estão entre vítimas de queda de avião

Quem estava a bordo?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Segundo autoridades, não há sobreviventes

Havia 144 passageiros a bordo do avião e seis membros da tripulação, incluindo o piloto e copiloto.

A Espanha é um destino turístico popular entre os alemães e relatos iniciais indicam que havia 67 alemães no voo.

Entre as vítimas havia 16 estudantes e dois professores alemães que foram à Espanha para participar de uma programa de intercâmbio escolar.

O vice-primeiro-ministro da Espanha afirmou que 45 dos passageiros seriam espanhóis.

Também estavam no voo passageiros da Turquia, Austrália, Dinamarca, Holanda e Bélgica. O ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Philip Hammond, disse que é provável que também haja cidadãos britânicos a bordo.

O ministro dos Transportes francês, Alain Vidalies, afirmou que não há sobreviventes. Não há indicações de que haja feridos.