Califórnia aposta em 'beleza da seca' e proíbe irrigação

Getty Direito de imagem Getty
Image caption Seca na Califórnia está em seu quarto ano; governo tem adotado medidas para enfrentar estiagem prolongada

O governador da Califórnia, Jerry Brown, introduziu novas restrições de água diante da queda dos reservatórios do Estado a níveis alarmantes.

O Estado enfrenta a ameaça de um desastre ambiental catastrófico em meio a uma grave seca, já em seu quarto ano e que não mostra sinais de melhora.

Cientistas da Nasa projetaram que reservatórios podem secar em um ano.

A seca é um problema de proporções épicas e que poderia - muitos dizem deveria - resultar em uma grande mudança no comportamento dos moradores locais em relação à água.

"Esperamos que as pessoas olhem para um gramado verde e achem isso tão chato quanto fumar passivamente", disse Nancy Vogel, do Departamento de Recursos Hídricos da Califórnia.

Leia mais: A vida em 'ecovilas'

Leia mais: Estado reduz plantio e afeta emprego na agricultura

Leia mais: As armas de San Francisco contra a seca

Leia mais: Seca histórica agrava disputa por água

Na semana passada, o governador Jerry Brown anunciou o racionamento de água obrigatório numa escala inédita na Califórnia. O objetivo é reduzir o consumo em 25%.

A crise poderá forçar uma mudança no pensamento de muitos na Califórnia, um Estado de migrantes americanos.

"As pessoas recriaram paisagens dos lugares que elas vieram, como o centro e o leste (americano) que são locais com mais água, e para muitos o jardim veio com a casa", disse Felicia Marcus, presidente do Conselho Estadual de Controle de Recursos Hídricos.

"Isso não é uma necessidade e estamos tentando treinar as pessoas a repensar isso".

Mas, mesmo com o agravamento da crise, a água continua a jorrar sem problemas em alguns bairros.

É notável que comunidades menos abastadas desfrutam de muito menos vegetação. O ônus será dos endinheirados para que revejam o que pensam ser a paisagem apropriada para a Califórnia.

Nancy Vogel acrescenta que os californianos terão que reavaliar sua "noção de beleza", tornando-se mais conscientes em relação à água.

"Precisamos chegar ao ponto em que não esperamos que a nossa paisagem se pareça como Iowa", disse.

Para Jay Famiglietti, da Universidade da Califórnia e cientista especializado em água do laboratório de propulsão à jato da Nasa, a estratégia de Brown, que tem apelado à emoção, é necessária já que muitos são apáticos à ideia de conservar água. "Acredito que manda uma mensagem muito forte para todos os californianos sobre a gravidade da situação."

Livrar-se dos jardins será uma grande mudança de estilo de vida para muitos, mas é a maior medida que californianos podem tomar para aliviar a crise, disse Famiglietti.

"A paisagem natural tolerante à seca é bonita - nós apenas temos que acabar com essa coisa de grama... Vivemos num Estado árido e semiárido e precisamos começar a agir dessa forma."

Direito de imagem BBC World Service
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Reservatórios da Califórnia secaram, como o lago Oroville, visto em 2011 (primeira foto) e em 2014

Cidades receberam ordens para que interrompam a irrigação de jardins centrais em estradas e autoridades locais e moradores foram avisados que gramados verdes são coisa do passado.

Proprietários não serão forçados a removê-los, embora muitas cidades tenham introduzido limites para o número de dias que sistemas de irrigação podem ser usados.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Californianos estão sendo incentivados a substituir gramados com plantas nativas do clima da região

"Para o californiano médio, a maneira mais fácil e rápida para economizar água é desligar os irrigadores", disse Nancy Vogel.

Eis o motivo para tanta preocupação com os gramados: cerca de 50% da água utilizada em áreas residenciais é em partes fora de casa.

"As pessoas, geralmente, irrigam demais seus gramados e usam a água para fazer coisas que uma vassoura faria", disse Felicia Marcus, presidente do Conselho Estadual de Controle de Recursos Hídricos.

Leia mais: Subúrbio de Lima enfrenta seca com 'unidades de dignidade'

Leia mais: Subsidiar chuveiros eficientes 'pode ser alternativa para SP'

Novos hábitos

O sucesso dependerá de como as ordens serão aplicadas. Em grande parte, dependerá de órgãos locais descobrirem as melhores formas de reduzir o consumo.

Fornecedores deverão fornecer um relatório completo da implementação das novas regras. Eles poderão aplicar multas de até US$ 500 para pessoas flagradas desperdiçando água.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Entre as restrições está o fim da irrigação de canteiros centrais em estradas do Estado

As próprias agências poderão ser multadas em até US$ 10 mil se não cumprirem as medidas.

Mas autoridades dizem que a abordagem será pela educação, com o objetivo de transmitir mensagem sobre conservação. Isso inclui informar proprietários sobre alternativas aos gramados - gratuitamente.

Californianos têm recebido diversos conselhos sobre maneiras de economizar água, como não deixar a torneira aberta enquanto escovar os dentes, tomar banhos curtos, consertar vazamentos em banheiros, canos e torneiras e não lavar os carros.

Em Los Angeles, restaurantes foram forçados a parar de servir água automaticamente nas refeições - economizando água gasta na lavagem dos copos.

Não haverá nenhum exército nas ruas, patrulhando medidas de economia de água. Mas algumas agências locais têm incentivado o público a atuar como "policiais da água" ao usar um aplicativo no celular.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Moradores estão sendo avisados de que gramados verdes são coisa do passado

O programa permite que usuários tirem uma foto do vizinho, que é enviada diretamente à autoridade de água. O resultado, geralmente, é um alerta por carta, mas que pode levar a um processo.

"Isso é um pouco assustador", diz Famiglietti sobre a abordagem ao estilo "Big Brother".

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Gramas artificiais são apresentadas como alternativa aos gramados, que exigem o consumo de grande quantidades de água

Leia mais: De caixa d'água a lata de lixo: seca cria mercado milionário

Leia mais: Itu, a cidade sem água onde contas continuam chegando

Notícias relacionadas