Divulgação de balanço não deve afetar ação contra Petrobras nos EUA

AP Direito de imagem AP
Image caption Há muita expectativa no mercado em torno da divulgação do balanço da Petrobras

Prevista para ocorrer nesta quarta-feira, a tão esperada divulgação dos resultados fiscais da Petrobras em 2014 é um passo importante para a recuperação da companhia, mas terá pouco impacto na batalha jurídica que a estatal enfrenta nos Estados Unidos, segundo analistas e advogados que acompanham o caso.

Espera-se que o balanço - auditado pela consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC) - inclua o prejuízo causado pela corrupção na empresa. Autoridades do governo têm dito que a divulgação ajudará a companhia a virar a página do escândalo que emergiu com a Operação Lava Jato.

Leia mais: Entenda o que está em jogo na publicação do balanço da Petrobras

Leia mais: Como salvar a Petrobras?

Para Robert Wood, analista da consultoria Economist Intelligence Unit, a publicação é uma etapa necessária para a reestruturação da companhia, "mas isso não significa que os problemas da Petrobras terminaram".

Ele diz que os efeitos do escândalo continuarão a repercutir na estatal e em suas parceiras envolvidas, afetando as atividades da companhia na exploração de petróleo e gás. Muitas das maiores empreiteiras nacionais estão implicadas no caso e tiveram dirigentes presos.

Direito de imagem Reuters
Image caption Presidente Dilma Rousseff saiu em defesa da empresa

Wood afirma ainda que uma melhora na imagem da companhia depende do fortalecimento de seus padrões de gestão.

"Ela continuará a ser considerada uma empresa energética nacional, onde os interesses do governo vêm antes dos de seus outros acionistas (privados)", afirma.

Para Gary Kleiman, analista independente de mercados emergentes em Washington, a divulgação do balanço "é o mínimo que se espera da companhia".

Ele afirma, porém, que os dados podem ter de ser revisados futuramente, caso a Lava Jato descubra novos desvios na empresa, e que poderá haver dúvidas quanto à credibilidade das informações.

Leia mais: Relembre principais prisões da operação Lava Jato

Enquanto a investigação estiver ocorrendo, diz ele, também será impossível prever o desfecho do processo que a companhia responde na Justiça americana.

A Petrobras é ré numa ação movida por acionistas que dizem que a empresa violou a legislação que rege o mercado de capitais nos Estados Unidos.

A acusação afirma que a empresa divulgou informações falsas sobre suas operações e omitiu dos investidores denúncias de corrupção na estatal. A ação abarca apenas acionistas que compraram papéis da empresa nos Estados Unidos.

Já investidores que adquiriram ações da empresa no Brasil estão fora do escopo do processo. Segundo especialistas, a legislação brasileira que rege o mercado de capitais é muito distinta da americana e não dá margem a processos como esse.

Também são réus na ação 13 executivos da estatal, entre os quais seus ex-presidentes Graça Foster e José Sérgio Gabrielli, 15 bancos que coordenaram as emissões de papéis da empresa, duas subsidiárias da Petrobras e a consultoria PWC.

'Boa vontade'

Direito de imagem Ag Brasil
Image caption Esquema de corrupção na empresa é alvo de CPI

Segundo Kleiman, a divulgação do balanço pode gerar alguma "boa vontade" de investidores com relação à companhia, mas não reduzirá o ímpeto dos acionistas que entraram na Justiça contra a empresa.

O líder da ação coletiva, que tramita na Corte de Nova York, é um fundo de pensão britânico. Outros acionistas - entre os quais a cidade americana de Providence e quatro investidores individuais - também entraram na Justiça americana contra a Petrobras, mas os processos foram unificados.

Se a companhia perder, todos os acionistas que compraram papéis da companhia nos Estados Unidos entre janeiro de 2010 e novembro de 2014 poderão receber compensação proporcional a suas perdas. O escritório que representa a acusação diz não saber quantas pessoas ou instituições integram o grupo.

Leia mais: Lava Jato força empresas estrangeiras a abandonar 'jeitinho', diz 'FT'

Segundo Kleiman, a ação contra a companhia não tem precedentes na Justiça americana, pela quantia envolvida (foram citados prejuízos de dezenas de bilhões de dólares) e por se tratar de uma empresa estatal.

Para Kleiman, a complexidade do caso pode fazer com que ele se arraste por "anos ou até décadas". Ele compara a ação ao processo contra a Enron, que chegou a ser uma das maiores companhias energéticas americanas mas quebrou em 2001 em meio a denúncias de gestão fraudulenta. Processada pelos acionistas, ela firmou um acordo pelo qual se comprometeu a pagar US$ 7 bilhões em indenização.

No caso da Petrobras, Kleiman diz que os ativos da empresa nos Estados Unidos (como a refinaria de Pasadena, no Texas) poderão ser usados para pagar os acionistas, caso a companhia perca. Se os valores forem insuficientes, diz ele, a Justiça americana poderá ainda requerer que o Estado brasileiro complete a indenização.

Image caption Analistas acreditam que empresa pode se recuperar de escândalo

Já a agência Moody's afirma que o governo brasileiro não é legalmente obrigado a apoiar a Petrobras, o que em tese o protegeria desse cenário. Em nota, a agência afirma que a divulgação do balanço favorece a avaliação de risco do Brasil, já que provavelmente impedirá que o governo tenha de injetar recursos extras na companhia.

Leia mais: Depoimento de Vaccari aprofunda debate sobre papel das CPIs

Sem a divulgação do balanço, credores poderiam pedir o pagamento antecipado de dívidas da estatal, o que provavelmente forçaria o governo a socorrê-la.

Jeremy Lieberman, advogado do escritório Pomerantz LLP, que representa os acionistas no processo contra a Petrobras, diz que a publicação dos resultados ajudará a definir o tamanho das perdas da companhia com a corrupção e, consequentemente, os valores de indenização a ser pedida.

"Mas é difícil dizer se isso terá qualquer impacto no andamento do processo."

Lieberman diz que, além da indenização, o processo busca forçar a Petrobras a promover reformas internas "para termos certeza de que esse tipo de coisa não aconteça de novo".

Ele estima que o processo durará entre dois e três anos e que ainda é prematuro discutir um acordo com a companhia.

Notícias relacionadas