Os 9 relógios mais icônicos dos últimos 100 anos

Direito de imagem Getty
Image caption Especialistas comentam influência do Apple Watch na usabilidade da tecnologia

Como ocorreu com muitos produtos da Apple, o novo smartwatch da empresa chega às lojas fazendo estardalhaço. E, segundo o CEO da marca, o Apple Watch “vai redefinir o que se espera de um relógio”.

“O Apple Watch poderá representar uma virada não só para os relógios de pulso como também para as tecnologias que ‘vestimos’”, diz Benjamin Clymer, editor do site Hodinkee, voltado a entusiastas da relojoaria.

“Trata-se do primeiro acessório tecnológico usável de massa, já que o Google Glass não apresentou uma funcionalidade, não é atraente em termos de design e gerou uma percepção negativa do usuário – tudo o que o Apple Watch não quer ser”, explica.

Mas, apesar de tudo, não podemos esquecer que, para todos os efeitos, ele ainda é um relógio. Martin Haussermann, editor do livro 1001 Wristwatches, acredita que o Apple Watch não vai afetar o mercado de relógios de luxo, mas deve influenciar o mercado do quartzo.

Que outras peças marcaram época quando surgiram? Conheça a lista da BBC Culture.

Leia mais: Por que a indústria da moda aposta na fusão de gêneros

Leia mais: Estilistas brasileiros se destacam na semana de moda de Milão

O primeiro relógio aviador: Cartier Santos Dumont (1904 – à venda em 1911)

Direito de imagem Alamy

Segundo o Livro Guinness dos Recordes, o primeiro relógio de pulso do mundo foi desenhado por Patek Philippe para a Condessa Koscowicz da Hungria, em 1868. Mas por décadas foi usado apenas por mulheres como uma pulseira.

Os relógios ganharam popularidade entre os homens depois da Primeira Guerra Mundial, mas no começo do século 20, já havia alguns pioneiros. “Os pilotos precisavam de um relógio de pulso para poder navegar”, diz Haussermann.

“Louis Cartier pegou um relógio de bolso e o transformou em modelo de pulso para um amigo que estava pilotando um avião em Paris, o brasileiro Alberto Santos-Dumont”, conta o autor.

Segundo Haussermann, a criação de Cartier tinha um mostrador contrastante “grande o suficiente para que Santos-Dumont pudesse ver as horas com apenas uma olhada”. E o brasileiro usou o relógio toda vez que voou.

Leia mais: Ciência desvenda mistério do vestido que 'muda de cor'

O primeiro modelo comercial: Cartier Tank (1919)

Direito de imagem Keystone Pictures USA

Este é um dos relógios de pulso mais cobiçados da História, tendo sido usado por personalidades como Greta Garbo, Cary Grant, a princesa Diana, Jacqueline Kennedy, Grace Kelly e Andy Warhol.

O Tank não era apenas um relógio de bolso amarrado no pulso: ele incorporou a geometria do Art Deco e uniu a caixa e a pulseira em um desenho sem emendas.

O primeiro relógio à prova d’água: Rolex Oyster (1926)

Direito de imagem Alamy

Com uma caixa hermeticamente vedada, o Oyster confirmou sua reputação como primeiro relógio à prova d’água quando a nadadora Mercedes Gleitze, então com 24 anos, usou o modelo durante sua travessia de 10 horas no Canal da Mancha.

Gleitze escreveu para a Rolex: “Os senhores ficarão satisfeitos em saber que o Oyster que usei na travessia se mostrou uma companhia confiável e precisa, mesmo quando submetido à completa imersão por horas na água do mar”.

O modelo foi também o predecessor do Submariner, outro Rolex clássico usado por Che Guevara e pelo ator Sean Connery quando encarnou James Bond.

“Os primeiros Rolex foram muito importantes na história da tecnologia de pulso. Eles realmente tornaram realidade a ideia de ter um relógio preciso e automático à prova d’água”, lembra o editor Clymer.

O primeiro relógio esportivo: Jaeger-LeCoultre Reverso (1931)

Direito de imagem Getty

Com uma caixa reversível e um mecanismo que permitia a proteção do mostrador, o Reverso foi um dos primeiros relógios de pulso pensado para esportistas. “É possível ver as horas na posição normal, mas também se pode virar o relógio de cabeça para baixo para consultar o horário”, explica Haussermann.

“Este modelo era usado por jogadores de polo, e havia o risco de quebrar o vidro durante uma partida. Por isso, este relógio tem um fundo em aço”, diz.

Com seu mostrador quadrado, o modelo se estabeleceu como um clássico Art Deco antes das versões redondas ganharem popularidade durante a Segunda Guerra Mundial.

O relógio que mudou a moda: Panerai Luminor (1950)

Direito de imagem Alamy

Segundo Haussermann, o Luminor inicialmente foi fabricado como um relógio de mergulho para a Marinha italiana. “Mas foi responsável por popularizar os modelos pesados, até entre as mulheres”, explica.

“Até então, os relógios masculinos tinham 38 milímetros de diâmetro, mas este chegou com 45 milímetros. É uma diferença grande, principalmente quando ele é visto no pulso de alguém”, diz o escritor.

Leia mais: Por que os anos 70 estão de novo na moda?

O modelo que foi para a Lua: Omega Speedmaster Professional (1957)

Direito de imagem Omega Ltd

Este relógio é tão preciso que, conta-se, ajudou a salvar os astronautas da Apollo 13, além de ter chegado à Lua.

Enquanto Neil Armstrong deixou seu Speedmaster no Módulo Lunar para garantir que teria um relógio para substituir um cronômetro defeituoso, Buzz Aldrin fez questão de usar o seu quando pisou na superfície da Lua.

“Não é preciso muito para andar pela Lua, apenas saber a hora em Houston, no Texas”, disse Aldrin, em seu livro de memórias Return to Earth. “Mesmo assim, sendo um cara prevenido, decidi amarrar o meu Speedmaster em volta da minha volumosa roupa de astronauta.”

O modelo da Omega teve de enfrentar vários testes rigorosos antes de ser aprovado pela Nasa, incluindo flutuações de temperatura entre -160° and +120°C. Ainda hoje, ele é usado por astronautas durante suas missões.

Os relógios de aço originais: Audemars Piguet's Royal Oak (1970), IWC’s Ingenieur (1976) e Patek Philippe's Nautilus (1976)

Direito de imagem Alamy

“Os primeiros relógios de luxo feitos em aço foram desenhados por Gérald Genta – o Patek Philippe Nautilus, o Royal Oak da Audemars Piguet e o Ingenieur, da IWC”, afirma Haussermann.

“Estes três modelos são irmãos e trouxeram o aço para o mercado de luxo e um design moderno dentro da relojoaria. Na época, o aço era visto como um material luxuoso. Portanto estes relógios têm o mesmo valor dos de ouro”, conta.

Leia mais: Evelyn Nesbit: A primeira supermodelo da História

Leia mais: Clara Bow: A primeira 'it girl' do mundo

O precursor do smartwatch: Hewlett-Packard HP-01 (1977)

Direito de imagem LED Forever

Quando o HP-01 chegou ao mercado, em 1977, a Hewlett-Packard disse: “Com ele, você pode fazer o que quiser: de ver as horas a calcular o custo de um telefonema de longa distância. Pilotos podem usá-lo para descobrir a distância até sua próxima base”.

“Este foi o primeiro relógio de quartzo com um mostrador de LED, além de servir como calculadora. É praticamente o avô dos smartwatches”, diz Regis Huguenin, curador do Museu Internacional de Relojoaria, na Suíça.

O especialista Clymer cita ainda o Seiko e o Casio G Shock como exemplos de smartwatches surgidos após anos 1970.

O novo relógio suíço: Swatch (1983)

Direito de imagem Reuters

Segundo Huguenin, o Swatch representou um “conceito totalmente novo de relógio suíço e teve um design de grande aceitação”. O modelo também marcou o fim da crise do quartzo nos anos 1980 na Suíça.

Clymer concorda. “O Swatch reacendeu a indústria de relógios suíça ao tornar esses acessórios algo divertido, barato e bacana de usar”, diz. “Um relógio não precisa ser caro para ser importante – e o relógio mais importante dos últimos 30 anos foi o Swatch.”

O setor ao qual o Swatch pertence é tido como o principal nicho de mercado com o qual o Apple Watch deve competir. O CEO da empresa suíça, Nick Hayek, já enumera as vantagens de seus modelos: “Eles serão sempre relógios bonitos... e não precisam ser recarregados todo dia – nem mesmo todo mês”.

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site BBC Culture.