População pobre ganha geladeira comunitária em Bruxelas

Foto: Márcia Bizzotto Direito de imagem BBC World Service
Image caption Instituição de caridade Corvia instalou geladeira coletiva na rua para todos possam doar e receber sem precisar de autorizações (Foto: Márcia Bizzotto)

Em uma movimentada avenida de um bairro popular de Bruxelas uma geladeira instalada na calçada permite à população carente se alimentar gratuitamente sem passar por intermediários.

O princípio é simples: qualquer um pode abrir a porta, depositar alimentos ou se servir, sem que seja necessário pedir autorização, se cadastrar ou solicitar acesso.

O aparelho, doado por um comerciante local, foi adaptado para funcionar a energia solar e, portanto, ser independente.

A geladeira faz parte de um projeto da instituição de caridade Corvia lançado em caráter experimental na véspera do Natal passado, "uma época de abundância de comida e em que as pessoas estão mais propícias a ajudar o próximo", explica sua presidente, Mathilde Pelsers, à BBC Brasil.

Segundo ela, o objetivo é aliar o combate ao desperdício à caridade.

Leia mais: Cidade da Polônia oferece passagem 'só de ida' para se livrar de sem-teto

"Um dia, depois do Natal, tinha (na geladeira) um frango maravilhoso, com arroz e tudo. Nunca comi tão bem", lembra com um sorriso Ludovic Galler, 23 anos, morador de rua, que vai ao local ao menos uma vez por semana.

Variedade menor

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Variedade diminuiu com o fim das festas de dezembro (Foto: Márcia Bizzotto)

A variedade dos alimentos doados diminuiu com o fim dos cardápios de festa: nessa tarde de maio restam apenas alguns pacotes de pão e copos de sopa, devidamente embalados para serem transportados.

Mas para Galler, a "geladeira social" é uma alternativa ao restaurante subsidiado pelo governo, onde costuma pagar 3 euros por uma refeição (mais de R$ 10), e às marmitas distribuídas por organizações não governamentais na Estação Central de trens da capital.

"Aqui (na geladeira) é de graça e não tem hora fixa para comer. Sempre tem alguma coisa. Em geral é pão e sopa, mas pão não é bom. Está sempre duro", diz.

A maioria dos abastecedores da geladeira social são padarias e restaurantes da região, que preferem doar a mercadoria não vendida no dia a jogar no lixo.

Leia mais: Verona multa quem dá comida a sem-teto

"A intenção é que cada vez mais participem supermercados e mercearias, que descartam todos os dias toneladas de alimentos bons para o consumo só porque estão próximos da data de validade", afirma Pelsers.

"Também esperamos que a vizinhança participe mais. Que tragam o que sobrou do jantar de família, por exemplo, ou aqueles alimentos que têm na geladeira quando vão viajar, que acabam indo pro lixo."

É proibido deixar na geladeira garrafas abertas, bebidas alcoólicas e alimentos fora do prazo de validade.

O único controle de conteúdo é feito por um membro da associação que passa a cada dois ou três dias para assegurar que nenhum produto esteja estragado.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Baterias solares garantem a independência da geladeira coletiva (Foto: Márcia Bizzotto)

Para Amadou Keita, morador do edifício na frente do qual o aparelho foi instalado, isso é suficiente.

"Não precisa de vigilante, segurança, inspetor. Ninguém causou problemas até agora. Eles vêm aqui, se servem e vão embora, geralmente sozinhos. Nunca teve briga, nunca teve sujeira. Acho uma ótima ideia para ajudar as pessoas. Por que isso me incomodaria?", pergunta retoricamente.

Leia mais: Empresa desafia tradição e quer popularizar 'quentinha' na Itália