Avanço do Estado Islâmico ameaça ave rara sob risco de extinção

Íbis eremita (Thinkstock) Direito de imagem Thinkstock
Image caption Apenas uma fêmea sobrevivente do íbis eremita conhece as rotas migratórias para a África, dizem especialistas

Uma espécie rara de ave estaria ameaçada pelo avanço do autodenominado "Estado Islâmico" sobre a cidade síria de Palmira, alertaram especialistas.

Os especialistas acreditavam que o íbis-eremita – Geronticus eremita, uma ave da mesma família dos guarás – estava extinto até descobrirem uma minúscula colônia perto de Palmira em 2002.

Mas três pássaros que viviam em cativeiro foram abandonados na semana passada depois que seus cuidadores fugiram do "Estado Islâmico" ("EI").

Em busca de Zenóbia

As autoridades estão oferecendo uma recompensa de US$ 1 mil (cerca de R$ 3 mil) por informações sobre uma quarta ave.

Segundo a Sociedade de Proteção da Natureza no Líbano, a ave perdida, Zenóbia, é o único pássaro que conhece as rotas migratórias do íbis-eremita com destino à Etiópia.

Sem ela, outros pássaros em cativeiro não podem ser postos em liberdade e a ave poderia ser extinta na natureza, alertam os especialistas.

"A guerra acaba, mas ninguém pode trazer de volta uma espécie extinta", disse à BBC o diretor da organização, Asaad Serhal.

Leia mais: 'Estado Islâmico' toma cidade histórica na Síria

Leia mais: Seis gráficos explicam guerra contra 'Estado Islâmico'

Leia mais: Quem será capaz de conter o 'Estado Islâmico' no Iraque?

Em 2002, sete íbis-eremitas foram descobertos perto de Palmira, um oásis sírio fundado há mais de 4 mil anos que também guarda relíquias arquitetônicas.

Apesar dos esforços de proteção, o número caiu para quatro desde então. Este ano, apenas Zenóbia voltou ao ninho após a migração de inverno.

Os especialistas não sabem se os outros três pássaros que estavam sendo mantidos em cativeiro ainda estão vivos.

A possível queda total de Palmira, apenas dias após o "EI" capturar a cidade iraquiana de Ramadi, elevou as preocupações na comunidade internacional.

A milícia tem destruído rastros de antigas civilizações em localidades que ocupa, desprezando seu passado pré-islâmico. Um dos alvos recentes foi a cidade de Nimrud, um dos maiores tesouros arqueológicos do Iraque.

Leia mais: Vídeo mostra EI destruindo capital de '1º' império da história' com tratores e explosivos

Leia mais: Por fé e lucro, 'Estado Islâmico' promove onda de destruição de patrimônio histórico no Iraque

As ruínas de Palmira são patrimônio mundial da Unesco, o braço das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.

Localizada no meio do deserto e próxima a um oásis, Palmira contém as monumentais ruínas de uma cidade que foi um dos mais importantes centros culturais do mundo, segundo a Unesco.

Leia mais: Estado Islâmico fatura vendendo relíquias a colecionadores ocidentais, dizem especialistas

Direito de imagem AFP
Image caption Autoridades sírias também temem que militantes depredem ruínas históricas de Palmira

Notícias relacionadas