Na China, ‘pai-gato’ entra na polêmica para rivalizar com ‘mãe-tigre’

Direito de imagem .
Image caption Série de TV chinesa mostra disputas entre casal em que a mãe é severa e o pai, relaxado em relação à criação da filha

Talvez você se lembre da mãe que causou polêmica ao publicar um livro sobre a maneira bastante rígida que ela criava suas filhas.

Em Grito de Guerra da Mãe-Tigre, a acadêmica americana de origem chinesa Amy Chua dizia que as filhas não podiam brincar na casa de amigos, nem trazer amigos para brincar com elas, nem assistir TV, nem reclamar. Todas as suas notas tinham de ser as mais altas da classe.

Leia mais: Por que existem crianças prodígio no mundo da música?

Em um episódio, a mãe conta como forçou sua filha de sete anos a praticar uma canção no violino até executá-la com perfeição – sem pausas para jantar, tomar água ou ir ao banheiro

Mas quatro anos após a polêmica, um novo estilo chinês e "felino" de criar filhos está entrando em cena para tentar rivalizar com a mãe-tigre: o pai-gato.

Sua abordagem com as crianças é a oposta da de Amy. Ele é sensível, gentil, relaxado em relação a regras e disciplina, e acredita que isso faz com os filhos sejam independentes e autossuficientes.

O termo pai-gato está os mais populares do site de microblogging chinês Sina Weibo (parecido com o Twitter), por causa do sucesso de um programa de TV local chamado - em tradução livre - Mãe-Tigre Pai-Gato.

Direito de imagem Weibo
Image caption Post do ator que representa o pai-gato viralizou nas redes sociais chinesas

Os dois principais personagens são, como o título sugere, atores interpretando uma mãe rígida e um pai “relax”. O estilo deles entre em choque na hora de criação da filha pequena.

“Como o nome sugere, o pai-gato prefere uma abordagem mais gentil na hora de educar as crianças, enquanto a mãe-tigre e o pai-lobo acreditam que a educação é um processo doloroso”, conta Vicent Ni, da BBC Chinesa.

“Fazia tempo que a TV chinesa não passavam um programa que capturava tão bem o conflito entre essas duas filosofias de educação. Os chineses acompanharam a série de perto e, inclusive, levaram a polêmica para as mídias sociais, para discutir e compartilhar suas opiniões sobre como criar filhos”, diz Ni.

Polêmica

Mais de 80 milhões de chineses assistiram ao programa e seu episódio final gerou dezenas de milhares de comentários no Weibo.

Alguns defenderam o pai-gato: “Eu acho que há muito bullying com ele. É totalmente desrespeitoso”, comentou um usuário.

Já outros disseram que o pai era fraco e não chegava ao pé da mãe. “Eu acho que eles deveriam se separar”, escreveu outro usuário. “Esse pai-gato não é homem de verdade.”

Tong Dawei, o ator que interpreta o pai, postou uma foto dele e de seu filha na sua conta do Weibo, com uma legenda bem humorada: “A mamãe saiu quando o cano quebrou. O papai então segurou o choro e consertou antes que ela chegasse.”

O post teve uma incrível repercussão, com 63 mil curtidas e 5 mil comentários.

“Como homem, eu jamais poderia ser como o pai-gato – prova de que até mesmo quando a vida imita a arte, o pai-gato ainda não ‘pegou’ na China”, dizia um dos comentários.

Apesar de o estilo pai-gato não ser tão famoso com a mãe-tigre, ele existe há tanto tempo quando ela.

Um dos pais-gatos originais foi Chang Zhitao, de Xangai, que participou de um debate na TV com Amy Chua, logo após o lançamento de seu livro.

Na ocasião, como exemplo do sucesso de seu método, Amy contou que obrigou a filha a passar a noite fazendo contas após uma nota baixa em matemática.

Zhitao rebateu, dizendo que quando a filha teve problemas com redação, ele a chamou para brincar – e depois a menina escreveu um belo texto, porque diz que ficou inspirada pelo pai.

Apesar do estilo oposto de Zhitao e Chua, os filhos de ambos entraram na Universidade de Harvard.

E como se não bastassem o tigre e o gato, há ainda um outro “estilo animal” de criar os filhos na China, “o pai-lobo”, que é ainda mais rígido do que a mãe-tigre e acredita que castigos físicos fazem parte da educação de uma criança.

Leia mais: ‘Pai-lobo’ defende agressão física na educação e cria polêmica