EUA retiram oficialmente Cuba de lista de patrocinadores de terrorismo

Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Castro e Obama se reuniram na Cúpula das Américas, no Panamá, em abril

Cuba saiu oficialmente nesta sexta-feira da lista de países patrocinadores do terrorismo elaborada todos os anos pelo governo dos Estados Unidos.

O anúncio da saída de Cuba da lista, da qual fazia parte desde 1982, foi feito pelo Departamento de Estado americano.

O presidente americano, Barack Obama, tinha notificado o Congresso de que queria remover Cuba da lista e deu aos legisladores um prazo para avaliar a iniciativa de 45 dias, que se encerrou nesta sexta-feira.

A medida é um marco e abre caminho para a normalização total das relações entre os dois países depois de 54 anos de hostilidades.

Com esta mudança, Cuba pode fazer transações bancárias nos Estados Unidos, entre outras atividades. No entanto, o embargo comercial ainda continua em vigor e poderá ser encerrado apenas pelo Congresso americano.

Agora, o secretário de Estado americano, John Kerry, "tomou a decisão final de revogar a designação de Cuba como Estado patrocinador do terrorismo, efetiva a partir de hoje, 29 de maio", informou o Departamento de Estado em uma declaração.

Leia mais: O que significa para Cuba sair da 'lista negra' dos EUA?

Junto com Irã, Sudão e Síria

Desde 1982, Cuba fazia parte da lista de países patrocinadores do terrorismo, elaborada anualmente pelo Departamento de Estado, que também inclui o Irã, o Sudão e a Síria.

Washington argumentava que a ilha supostamente oferecera refúgio a membros do grupo separatista basco ETA e das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), além de abrigar fugitivos americanos.

A decisão de Washington também responde às demandas de Cuba, apresentadas várias vezes, de que o país fosse retirado da lista, que considera "injusta" e "infundada".

Ao anunciar sua decisão, o governo Obama confirmou que, em sua visão, o governo de Raúl Castro não apoiou o terrorismo internacional no passado imediato e oferece garantias de que não o fará novamente.

Leia mais: Análise: Visita de Raúl Castro ao Vaticano é nova vitória de Francisco