Apesar de escândalos, Joseph Blatter é reeleito para quinto mandato na Fifa

Direito de imagem AFP
Image caption Joseph Blatter discursa durante votação para a presidência da Fifa; ele foi reeleito no segundo turno

Em meio ao maior escândalo de corrupção da história da Fifa, o suíço Joseph Blatter foi reeleito para a presidência da entidade máxima do futebol mundial nesta sexta-feira. Blatter está no cargo desde 1998, quando substituiu o brasileiro João Havelange, e vai agora para seu quinto mandato.

Na eleição desta sexta-feira, Blatter teve, no primeiro turno, 133 votos contra 73 de seu único rival - o príncipe jordaniano Ali bin al-Hussein. Como o suíço teve sete votos a menos que o necessário para vencer já na primeira volta, a disputa teria que ir para o segundo turno. Al-Hussein, no entanto, acabou desistindo da disputa, o que abriu caminho para a vitória de Blatter.

O jordaniano tinha o apoio da Uefa (Federação Europeia de Futebol). Ele ganhou força nos últimos dias por causa da investigação do FBI anunciada na última quarta-feira, que deteve oito dirigentes da Fifa (incluindo o ex-presidente da CBF, José Maria Marin), suspeitos de extorsão, lavagem de dinheiro e corrupção.

Leia mais: Por que Blatter continua à frente da Fifa?

Antes do anúncio do resultado da eleição, Blatter discursou aos representantes das federações agradecendo o apoio que recebeu deles nos últimos anos. O suíço também disse que a Fifa, no momento mais difícil de sua história, "não precisa de revolução, mas sim de evolução."

"Tenho agora uma oportunidade de agradecer a vocês. Obrigado por acompanhar o desenvolvimento da Fifa nos últimos 40 anos. Nós não precisamos de revoluções, mas sempre precisamos de evolução", disse o suíço.

"Ontem, anteontem e hoje, estou sendo responsabilizado pela tempestade atual. Ok, assim seja. Vou assumir essa responsabilidade. Vou aceitar e quero corrigir a Fifa ao lado de vocês. Precisamos proteger a nossa casa. Não só da corrupção, mas do racismo, da manipulação de resultados, doping e violência."

Leia mais: Investigação da Fifa dá força a 3 iniciativas que prometem mudar futebol brasileiro

Blatter chegou a ter cinco rivais para a eleição deste ano, mas quatro deles desistiram antes do pleito. Um deles era o ex-jogador português Luis Figo, o último que abdicou da disputa na semana passada. "Este processo eleitoral é tudo menos isso, uma eleição", disse ele, pelas redes sociais. Nesta sexta, após o resultado, ele disse que "todos perderam nessa eleição."

"Hoje é mais um dia negro para o futebol. A Fifa perdeu, mas acima de tudo, o futebol perdeu e todo mundo que se importa com ele também. Se Blatter tiver o mínimo de decência, vai renunciar."

Ainda que a disputa tenha tido apenas um adversário, ela foi a mais acirrada enfrentada por Blatter desde que ele assumiu o comando da entidade em 1998, quando venceu o presidente da Uefa, Lennart Johansson, por 111 votos a 80 - alguns anos depois, em 2002, surgiram denúncias de que o suíço teria comprado votos para chegar ao cargo máximo da Fifa.

Desde então, Blatter venceu os pleitos seguintes - de 2002, 2007 e 2011 - de lavada, sendo que em 2007 foi reeleito por aclamação e em 2011 acabou sem adversários e com o apoio de 186 das 203 federações filiadas à Fifa - o presidente da Confederação Asiática de Futebol, (AFC), Mohamed Bin Hammam era candidato até os "45 do segundo tempo", mas retirou a candidatura após suspeitas de que ele teria comprado votos.

Brasil

O Brasil foi representado na eleição pelos presidentes da Federação Goiana de Futebol, André Pitta, e da Federação Cearense de Futebol, Mauro Carmélio, já que o atual presidente da CBF, Marco Polo del Nero, abandonou subitamente o congresso da entidade em Zurique na manhã de quinta-feira, e retornou ao Rio de Janeiro, onde desembarcou na manhã desta sexta.

Em meio às acusações de corrupção envolvendo o ex-presidente da CBF, José Maria Marin - de quem Del Nero foi vice -, o atual mandatário voltou ao país alegando que "precisava dar as explicações necessárias".

"É um momento difícil para a CBF. Uma vez que nós tivemos envolvidos com um ex-presidente e atual vice-presidente (Marin). Face a esse momento difícil, resolvi partir da Suíça para o Rio de Janeiro para poder de forma positiva, de forma correta, cumprir e dar as explicações necessárias não só às autoridades, mas à imprensa do Brasil."

Del Nero se disse perplexo com a notícia da prisão de Marin e do envolvimento dele com as denúncias investigadas pelo FBI e avisou que seguirá com suas funções na CBF colaborando com o que for necessário na investigação.

Qual era a plataforma dos dois candidatos?

De acordo com o perfil de Blatter no site da Fifa, "suas principais aspirações são credibilidade, transparência, e 'fair play'". Sua filosofia é "futebol para todos, todos para o futebol".

Já o príncipe Ali afirmava que seu objetivo era "tirar o foco sobre a polêmica administrativa e redirecioná-lo ao futebol" e fazer da Fifa uma organização mais justa e transparente.

Direito de imagem Getty

Como é a votação em si?

Em uma votação secreta, todas as 209 associações de futebol da Fifa têm direito a um voto. A votação ocorre por ordem alfabética – então foi um processo demorado.

No primeiro turno, se algum dos candidatos conquistar dois terços dos votos (um total de 140 votos se todos participarem), ele é eleito.

Se nenhum tiver esses dois terços, a votação terá um segundo turno, em que um deles precisará da maioria simples dos votos para ganhar.

Direito de imagem AFP

Quem pode votar?

Nem todos as federações da Fifa são ligadas a nações com status de país, mas mesmo assim todos têm direito a voto com o mesmo peso. Um exemplo disso é Montserrat, um território britânico no Caribe com 4,9 mil habitantes, que tem a mesma voz que a Índia, com sua população de mais de 1,2 bilhão de habitantes.

Direito de imagem Reuters

Como eles votaram?

É nesse ponto que a situação fica mais nebulosa. Mesmo sendo uma votação secreta, muitas das associações de futebol – na qual os membros estão agrupados – já haviam revelado seus votos antes da eleição.

Michel Platini, presidente da Uefa (a federação europeia de futebol), disse que uma grande maioria das 53 associações da Europa apoiaria o príncipe Ali.

A Confederação de Futebol Africana (CAF), com seus 54 membros, e a Confederação de Futebol Asiática (AFC), com seus 46 membros, afirmaram que apoiariam Blatter.

Mas a Austrália, que é da AFC, disse que votaria no príncipe.

Blatter, tradicionalmente, tem o apoio da federação da América do Norte (Concacaf), cujo o presidente, Jeffrey Webb, está entre os presos da operação em Zurique.

Ainda não se sabe como os membros da América do Sul e da Oceania votaram.

Direito de imagem Getty