Blatter é vítima de 'conspiração', diz filha de presidente da Fifa

BBC
Image caption Durante entrevista, Corinne Blatter afirmou que credibilidade de seu pai não foi abalada

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, é vítima de uma conspiração de "bastidores" disse a filha dele, Corinne, em uma entrevista à BBC.

"Ninguém está livre de culpa, mas (...) ele não é a pessoa pegando o dinheiro", afirmou.

Blatter foi reeleito para um quinto mandato na presidência da autoridade máxima do futebol mundial dias depois do indiciamento de 14 autoridades da Fifa, suspeitos de extorsão, lavagem de dinheiro e corrupção. Entre estes 14, sete dirigentes da organização foram presos em Zurique, na Suíça, incluindo o ex-presidente da CBF, José Maria Marin.

Quando questionada quem seriam estas pessoas nos "bastidores", Corinne respondeu: "Eu não diria que são os americanos e britânicos, mas, certamente, pessoas trabalhando nos bastidores".

"Não sei se você quer chamá-los de forças da escuridão, mas eu falo que eles realmente tentaram, eles tentaram em setembro, outubro do ano passado."

Em setembro de 2014, Blatter foi pressionado a renunciar ao cargo depois de rejeitar os pedidos para tornar público um relatório sobre a suposta corrupção nas campanhas de candidatura para sedir a Copa do Mundo.

Leia mais: Bancos britânicos investigam se foram usados por autoridades da Fifa

Na sexta-feira, Blatter venceu a eleição em Zurique derrotando seu único adversário, o príncipe jordaniano Ali bin al-Hussein.

Credibilidade

Corinne Blatter afirmou na entrevista que seu pai não perdeu a credibilidade nos últimos dias.

"Todas estas coisas aconteceram apenas para tirar a credibilidade dele, para que ele renunciasse. Mas posso afirmar que, em cerca de (duas ou três) semanas, ninguém mais vai falar sobre isto", afirmou.

"Outras notícias estarão no topo e ele vai trabalhar normalmente, como disse ontem na entrevista coletiva, ele teve uma grande reunião executiva e todos vão trabalhar juntos. Ele também é o presidente daqueles que não votaram nele e agora eles têm que trabalhar juntos."

Corinne também negou que Joseph Blatter tenha recebido dinheiro de corrupção.

"Todo o dinheiro que ele ganhou ele ganhou trabalhando, ele é um presidente (da Fifa) que trabalha muito."

Direito de imagem Getty
Image caption Segundo Corinne, Joseph Blatter ganhou todo o dinheiro que tem trabalhando

"Todas estas pessoas que falam que ele ganha dinheiro, não sei que tipo de dinheiro ele deveria levar e ele não tem este tipo de caráter, ele não está levando dinheiro nenhum", acrescentou.

No sábado, Blatter deu uma entrevista coletiva no qual se mostrou extremamente confiante apesar das investigações.

Quando questionado sobre os danos à imagem da Fifa por causa das acusações de corrupção, ele culpou a imprensa que, segundo ele, exagerou a crise. Para Blatter, a Fifa continua sendo bem vista, especialmente em países da Ásia e África. Ele também recebeu um telegrama do presidente russo, Vladimir Putin, parabenizando pela reeleição.

Respondendo às críticas à sua liderança pessoal, Blatter demonstrou ainda mais confiança.

Leia mais: Europa faz 'campanha de ódio' contra Fifa, diz Blatter

"Acabei de ser eleito para um quinto mandato, não pode haver muita coisa errada comigo", afirmou.

Blatter também minimizou o a importância da investigação americana lançada contra as autoridades da entidade.

Durante a entrevista coletiva ele questionou o momento escolhido pelos promotores dos Estados Unidos, afirmando que a Fifa "poderia ter sido contactada em outro momento" ao invés de poucos dias antes do congresso de Zurique.

Bancos

Direito de imagem n
Image caption O presidente da Uefa, Michel Platini (dir.) sugeriu que os times europeus podem boicotar a Copa do Mundo se Blatter continua na presidência da Fifa

Neste domingo, dois bancos britânicos deram início a investigações internas para saber se foram usados para pagamentos ilegais por autoridades da Fifa, segundo informações levantadas pela BBC.

O FBI citou os bancos Barclays e Standard Chartered, junto com o HSBC, na quarta-feira,no indiciamento de 14 autoridades da Fifa, suspeitos de extorsão, lavagem de dinheiro e corrupção. Entre estes 14, sete dirigentes da organização foram presos em Zurique, na Suíça, incluindo o ex-presidente da CBF, José Maria Marin.

Os bancos Barclays e HSBC não comentaram a situação, mas o Standard Chartered afirmou que está analisando os pagamentos.

Segundo o correspondente de economia da BBC Joe Lynam, dezenas de bancos foram citados nas 164 páginas de documentos do FBI.

Alguns são bancos muito pequenos que a maioria das pessoas nunca ouviu falar, mas três grandes bancos britânicos estão entre os citados.

"Eles não foram acusados de nada, apenas citados pelo FBI como prova de pagamentos feitos por 'co-conspiradores' e dos bancos que eles usaram para canalizar transferências bancárias ilícitas", afirmou.

No entando, o Barclays, Standard Chartered e HSBC vão analisar todos os pagamentos feitos em suas redes globais que podem estar ligados aos dirigentes acusados e à Fifa em geral.

Leia mais: Popularização do futebol nos EUA é pano de fundo para 'Fifagate'

Notícias relacionadas