Família francesa perde batalha legal para manter ligados aparelhos de homem em coma

Direito de imagem AFP
Image caption Vincent Lambert está em coma desde 2008, quando sofreu um acidente de moto

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos acatou uma decisão da Justiça francesa e permitiu que sejam desligados os aparelhos que mantêm vivo um homem de 39 anos - em um caso que pode ter repercussões legais em toda a Europa.

Vincent Lambert está em coma desde 2008, quando sofreu um acidente de moto que também o deixou tetraplégico.

A família de Lambert está dividida quanto à decisão de mantê-lo vivo artificialmente ou deixar que ele morra naturalmente sem o uso dos aparelhos. O caso acabou sendo levado à Justiça europeia depois que a própria Corte francesa foi favorável ao desligamento dos aparelhos.

A eutanásia não é permitida na França, mas uma lei de 2005, chamada Leonneti, permite que os médicos mantenham apenas cuidados paliativos para dar uma morte natural e tranquila em alguns casos de "obstinação terapêutica" – quando se mantém viva, artificialmente, uma pessoa que já teria morrido pelas formas naturais.

Agora, o tribunal europeu decidiu nesta sexta-feira que interromper a alimentação intravenosa de Lambert não violaria as leis europeias de direitos humanos. A decisão pode, no futuro, influenciar leis relacionadas à eutanásia em países do continente.

Leia mais: Caso de homem que ganhou direito de morrer pode forçar legalização do suicídio assistido na África do Sul

Impasse

Há sete anos, desde que sofreu o acidente, Vincent Lambert vive em estado vegetativo e recebe nutrientes e água através de injeções na veia em um hospital em Reims, nordeste da França.

A mulher dele, Raquel, e alguns de seus irmãos haviam concordado com a recomendação dos médicos de que Lambert deveria ser retirado dos aparelhos, já que não havia esperança alguma de que um dia ele pudesse acordar do coma e voltar a viver normalmente.

Segundo os médicos, Lambert teria mostrado sinais de resistência ao tratamento no ano passado, e Raquel reafirmou que seu marido "jamais quereria continuar vivendo nesse estado".

"Não há nenhum alívio, nenhuma alegria para expressar. Nós só queremos que a vontade dele seja feita", disse Raquel após a decisão da Justiça europeia.

Leia mais: Contra epidemias, países ricos lançam plano para 'exército global' de médicos

Mas os pais – que dizem ser devotos à religião católica – e outros irmãos dizem que Lambert mostrou sinais de progresso e acreditam que ele só precisa de melhores cuidados.

"Eles estão tentando nos forçar a dizer que queremos que ele se vá, mas esse não é o caso de maneira alguma, não queremos que acabem com a vida dele", disse a mãe, Viviane, no início deste ano.

O caso foi levado para a corte europeia, em Estrasburgo, depois que o Tribunal Superior da França decidiu a favor do desligamento dos aparelhos.

E o advogado dos pais, Jean Paillot, chegou a dizer que eles iriam lutar caso a decisão europeia fosse contra a vontade dos pais.

Segundo Paillot, a decisão de desligar os aparelhos foi feita por "um médico e só poderia ser realizada por ele, que já não é mais responsável pelos cuidados de Lambert". O advogado ainda disse que irá buscar reverter a decisão na Justiça francesa.