Oito de dez presos por ataque a Malala foram 'secretamente absolvidos'

Malala Direito de imagem Getty
Image caption Malala irritou o a Talebã ao defender o direito de meninas irem à escola no Paquistão

Uma investigação da BBC descobriu que oito dos 10 acusados pelo atentado contra a ativista Malala Yousafza, em 2012, no Paquistão, foram libertados.

A informação contraria informações divulgadas em abril, dizendo que os dez militantes do Talebã tinham sido condenados a 25 anos de prisão por sua participação no ataque em que Malala, então com 15 anos, foi alvejada na cabeça dentro de um ônibus escolar e ficou entre a vida e a morte.

Mas fontes disseram à BBC que apenas dois homens foram sentenciados, número confirmado pelo chefe de polícia na região do Vale de Swat, onde ocorreu o atentado.

Leia mais: Caso Malala: Paquistão condena dez, mas principais envolvidos estão foragidos

O julgamento dos autores do ataque foi realizado a portas fechadas e numa instalação militar. A sentença não foi publicada em função da legislação que proíbe a divulgação de informações detalhadas sobre casos de terrorismo.

Segundo Muneer Ahmed, porta-voz da representação diplomática do Paquistão em Londres, os oito homens foram libertados por falta de provas. Ele culpou uma falha de comunicação pela disparidade de informações e ressaltou que os documentos do tribunal tinham registrado a absolvição dos oito homens.

Direito de imagem AP
Image caption A adolescente vive na Grã-Bretanha e ainda recebe ameaças de morte

As autoridades paquistanesas demoraram para corrigir a informação de que o tribunal tinha condenado dez pessoas. E em momento algum foram dadas informações sobre quando os homens foram presos e julgados.

Segundo Ilyas Khan, da BBC em Islamabad, não se sabe porque circulou a falsa informação de que dez homens teriam sido condenados à 25 anos de prisão, mas sabe-se que o governo estava sob forte pressão dos holofotes internacionais. O caso de Malala teve grande repercussão mundo afora e quando foi agraciada com o prêmio Nobel ninguém tinha sido levado à Justiça pelo atentado.

Leia mais: Blogueira baleada pelo Talebã volta à escola na Inglaterra

Malala foi atacada pelo Talebã por manter um blog em que defendia o direito de meninas terem acesso à educação no Paquistão, contrariando a agenda extremista do grupo. Ela foi uma das ganhadoras do Prêmio Nobel da Paz em 2014.

Malala e sua família atualmente vive em Birmingham, na Grã-Bretanha, porque ainda recebem ameaças de morte.

A controvérsia sobre a situação dos autores do atentado veio à tona nesta semana, quando o jornal britânico Daily Mail tentou localizar os dez acusados em prisões dos país.

Notícias relacionadas