Britânico de 17 anos seria 'mais jovem homem-bomba do país'

Talha Asmal Direito de imagem n
Image caption Foto divulgada pelo EI no Twitter que mostraria Asmal se preparando para o ataque em Baiji

Um adolescente da cidade de Dewsbury teria se tornado o mais jovem britânico a realizar um ataque a bomba suicida.

Talha Asmal, de 17 anos, seria um dos quatro homens-bomba que atacaram forças iraquianas perto de uma refinaria ao sul de Baiji, no Iraque.

Fontes que ligadas ao autodenominado Estado Islâmico (EI) divulgaram na internet fotos do jovem tiradas supostamente quando ele se preparava para cometer o atentado.

Segundo mensagens dessas fontes, o britânico atenderia no EI pelo nome Abu Yusuf al-Britani.

A polícia do condado de West Yorkshire, onde fica Dewsbury, porém, disse não ter confirmado a identidade do autor do ataque.

Leia mais: EUA gastam US$ 9 milhões ao dia para combater 'Estado Islâmico'

Leia mais: Imagens exclusivas mostram brutalidade e opressão da vida sob 'Estado Islâmico'

Outro jovem do mesmo condado, Hasib Hussein, tinha 19 anos quando se explodiu em um ônibus de Londres, nos atentados de julho de 2005.

Em Dewsbury, a família de Asmal se disse "devastada" com a notícia.

"Estamos naturalmente completamente devastados por essa tragédia indescritível que parece ter caído sobre nós", disse a família, em um comunicado no qual defende que "Talha era um adolescente amoroso, gentil, atencioso e afável" e que “nunca exibiu nenhum ponto de vista violento, extremo ou radical de qualquer espécie."

Segundo a família, a ingenuidade do rapaz teria sido "explorada" por pessoas "desconhecidas" que entraram em contato com ele pela internet.

"Se as informações divulgadas pela imprensa estiverem corretas ele foi levado a morte por manipuladores e líderes do autodenominado EI, que são covardes demais para fazer seu próprio trabalho sujo", diz a nota.

Estado Islâmico

O EI é um grupo radical islâmico que conseguiu conquistar grandes porções de território no Leste da Síria e Norte e Oeste do Iraque.

Pelo menos 700 pessoas deixaram a Grã-Bretanha para apoiar ou lutar em organizações jihadistas na região – sendo que boa parte delas se juntou ao EI.

Charlie Winter, do centro de estudos Quilliam Foundation, diz que muitos desses britânicos foram arregimentados online.

"Eles contatam esses jovens pela internet e prometem uma vida em um Estado utópico, no paraíso", diz Winter.

"Isso pode não ter apelo para a maioria das pessoas, mas atrai indivíduos particularmente vulneráveis."

Leia mais: Quem será capaz de conter o 'Estado Islâmico' no Iraque?

O governo britânico tem redobrado seus esforços para evitar que cidadãos do país combatam ao lado de grupos radicais na Síria ou Iraque.

A visão das autoridades é que isso representa uma séria ameaça à segurança nacional, porque as pessoas que voltam desses lugares podem considerar a possibilidade de realizar ataques na Grã-Bretanha.

Asmal teria fugido para se juntar ao EI em março, supostamente acompanhado de outro adolescente, Hassan Munshi, também de Dewsbury.

O irmão de Munshi, Hammaad Munshi, foi detido em 2006, então com 16 anos, depois que a polícia encontrou em seu computador um guia que explicava como fazer napalm (liquido usado em bombas incendiárias).

Foi a pessoa mais jovem a ser condenada no país com base no Terrorism Act, a lei antiterrorismo britânica.

Leia mais: EUA oferecem recompensa de US$ 20 milhões por líderes do Estado Islâmico