Os sete critérios para escolher as melhores universidades da América Latina

(WikiCommons) Direito de imagem Other
Image caption USP ficou em 1º lugar no ranking das melhores universidades da América Latina

Novamente número 1. A Universidade de São Paulo (USP) voltou a ser escolhida como a melhor da América Latina.

É a quinta vez que a maior universidade pública do Brasil recebe a láurea desde que a consultoria de educação superior Quacquarelli Symonds (QS) começou a publicar o ranking em 2011.

Em apenas um ano ─ 2014 ─ a USP foi superada por outra instituição: Pontifícia Universidade Católica do Chile (UC), que desta vez ficou em terceiro lugar.

Três universidades brasileiras (USP, Unicamp e UFRJ) e duas chilenas (UC e Universidade do Chile) ocupam o "top 5".

Completam a lista das dez melhores universidades mais duas brasileiras (Unesp e UnB), duas mexicanas e uma colombiana.

Enquanto isso, na compilação das 100 melhores instituições de educação superior da região, o Brasil lidera com 18, seguido pela Argentina, com 15 e o Chile, com 14.

Mas em que se baseia este ranking?

Para obter a resposta, a BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, consultou a responsável pela lista, a QS, sediada em Londres, no Reino Unido.

A empresa se dedica a promover universidades e em 2004 criou um ranking das melhores instituições de ensino em todo o mundo.

O enorme interesse gerado pela lista levou a consultoria a criar compilações regionais, como é o caso do levantamento latino-americano, cuja publicação teve início em 2011.

Leia mais: Renomadas e gratuitas, universidades alemãs atraem cada vez mais alunos estrangeiros

Critérios

Direito de imagem Other
Image caption Ranking é elaborado pela consultoria britânica QS

Martin Juno é o analista responsável pelo ranking latino-americano.

Juno explica à BBC Mundo que sete "indicadores" são usados para montar a lista.

Os dois primeiros são os mais importantes, respondendo por 50% da pontuação recebida por cada universidade.

Eles refletem a reputação da instituição de ensino, tanto entre outras universidades internacionais quanto entre empresas que empregam os recém-graduados.

Para medir tais parâmetros, o QS diz entrevistar mais de 50 mil acadêmicos e 13 mil empregadores em todo o mundo.

Os outros cinco indicadores têm menor peso (10% cada).

Um deles é a proporção entre alunos e professores.

Direito de imagem Other
Image caption Segundo QS, sete critérios são usados para montar compilação

Outro envolve a quantidade de professores que possuem doutorado.

A consultoria também dá especial valor ao tema da pesquisa científica e à publicação em revistas especializadas.

Tal indicador é medido avaliando o número de estudos nos quais cada universidade foi citada e quantas pesquisas foram realizadas por cada professor.

Finalmente, a QS avalia a página da universidade na internet, para saber se os estudos acadêmicos estão disponíveis online.

Leia mais: Ranking traz 5 universidades brasileiras entre 10 melhores da América Latina

Parâmetros

Juno disse que a posição de uma universidade no ranking é diretamente relacionada com sua "internacionalização", ou seja, como está conectada com o resto do mundo.

"Quanto mais parcerias internacionais uma universidade tem, melhor ela é", diz ele.

Mas nem todos concordam com tais parâmetros de qualidade.

Especialista em educação, o chileno Mario Garcés Durán, diretor da consultoria ECO Educación y Comunicación, diz à BBC Mundo que há critérios mais importantes que não são levados em conta na avaliação da QS.

"Essa classificação aplica-se a uma lógica de mercado e não mede o impacto da universidade para a sociedade, que é seu principal valor", argumenta ele.

Nesse sentido, explica Durán, o ranking não avalia, por exemplo, os projetos desenvolvidos pela universidade para melhorar diretamente a vida dos cidadãos.

"O número de publicações é medido em sites especializados, a que só especialistas têm acesso, e não o número de livros publicados ─ que são uma contribuição para toda a sociedade", frisa.

Leia mais: Prêmio Nobel renuncia a cargo em universidade britânica após comentários sexistas

Precarização

Direito de imagem Other
Image caption UC do Chile caiu duas posições por menor taxa de proporção entre professores e alunos

Outros fatores ignorados pelo ranking são os problemas financeiros enfrentados pelas universidades e a crescente precarização de trabalho dos professores.

Nesse sentido, a situação da Universidade de São Paulo (USP), escolhida mais uma vez a melhor da região, é paradoxal.

Embora seja a maior universidade pública do Brasil, com cerca de 90 mil alunos, a USP passa por uma crise financeira sem precedentes.

Em entrevista ao jornal O Globo, um estudante do terceiro ano de Engenharia Ambiental lamentou a falta de professores.

"Pensei que a universidade teria uma estrutura melhor", confessou.

Os problemas para pagar os salários dos professores e servidores vêm provocando uma série de greves, que também afetam os alunos.

De acordo com Garcés Durán, esse é um problema comum na América Latina, onde os professores muitas vezes não são contratados de forma permanente.

Importância

Diante de tantas objeções, qual é o peso real dos rankings internacionais de universidades?

Para Jorge Saez, estudante do quinto ano de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Chile (UC), trata-se principalmente de prestígio.

"É claro que é motivo de orgulho ver sua universidade escolhida como a melhor do país e uma das melhores da América Latina", afirma.

"Mas não é tão relevante internamente, porque todos no Chile sabem qual é a melhor. Ou seja, o ranking em si só revalida a superioridade conhecida por todo mundo", acrescenta.

Saez brinca que a principal utilidade da compilação foi alimentar a longa rivalidade com a Universidade de Chile (UCH), que no ranking deste ano ficou uma posição abaixo da UC.

Notícias relacionadas