O que ‘Game of Thrones’ pode ensinar sobre liderança

Direito de imagem HBO
Image caption 'Game of Thrones' se baseia em romances que também se popularizaram como livros de autoajuda

Traição, jogos emocionais e falsidade. Estamos falando da trama do bem-sucedido seriado Game of Thrones, que acaba de terminar sua quinta temporada. Mas será que a descrição não se aplica também ao seu ambiente de trabalho?

Lições de liderança sobre vencer, chegar ao topo, tratar bem as pessoas (ou não) e gerenciar subordinados são fundamentais tanto no mundo da ficção quanto em empresas da vida real.

Aqui, dois influenciadores da rede social LinkedIn comentam o assunto.

Leia mais: As mais estranhas perguntas já feitas em entrevistas de emprego

Leia mais: Em nome da produtividade, empresas começam a banir e-mail

Jeff Haden, dono da BlackBird Media

"Quando George R. R. Martin escreveu os romances da série As Crônicas de Gelo e Fogo, é possível que nem passasse por sua cabeça que eles se tornariam livros de autoajuda para empreendedores em busca de lições sobre liderança. Repletas de violência gratuita, incesto, magia negra e dragões, as histórias não trazem muita semelhança com a vida real", escreveu Haden em um post no LinkedIn.

"Mas tirando esses elementos, os romances (nos quais se baseia o seriado da HBO Game of Thrones) mostram a simples história de uma disputa para ser o melhor: o melhor guerreiro, o melhor líder e o melhor reino."

Quais lições podem, então, ser tiradas dos Sete Reinos de Westeros? Haden oferece três das principais:

"A atenção é uma virtude. O oitavo episódio da quarta temporada gira em torno de uma luta aparentemente impossível de ser vencida entre o príncipe Oberyn, um homem de estatura normal, e o gigante Ser Gregor. A agilidade de Oberyn o ajuda a correr ao redor de seu enorme rival. Infelizmente, o príncipe sofre de uma falta de concentração momentânea e Gregor aproveita a oportunidade para acabar com ele."

"É algo brutal, claro, mas em termos corporativos, há uma lição aqui: sempre se mantenha alerta e concentrado na tarefa que está executando."

"A sorte sorri para os corajosos. Os Dothraki poderiam ter se tornado oponentes terríveis. Mesmo assim, os Lannisters, Starks e Baratheons não tinham medo deles por um simples motivo: os Dothraki temiam o mar, e todos sabiam disso. O medo dos Dothraki os tornou impotentes, presos a uma rotina e incapazes de crescer ou se tornar mais poderosos", explica Haden.

"É como se eles fossem a BlackBerry do seriado: uma empresa sólida em seu próprio mundo, mas indiscutivelmente indiferente às oportunidades lançadas pelos telefones de tela de toque. Enquanto isso, sua principal rival, a Apple, se jogava na exploração de novos territórios. O resultado: a Apple decolou e a BlackBerry fracassou", exemplifica.

"Nunca se subestime. Se você já assistiu a Game of Thrones, provavelmente já ouviu a frase: ‘Você não sabe nada, Jon Snow’. Ironicamente, ela não poderia estar mais distante da realidade. O filho ilegítimo do Lorde Eddard Stark deixou rapidamente de ser a ovelha negra da família para se tornar o Comandante da Muralha", diz Haden.

"Ele não só é corajoso e inteligente, como também acredita em si mesmo e não tem medo de seguir seus instintos – qualidades que todo bom líder precisa ter. O resultado é que ele ganhou o respeito de praticamente todos a sua volta."

"Enquanto outros homens dos Sete Reinos de Westeros estavam ocupados enchendo a cara, transando com a irmã ou planejando atos de violência, Snow se destacou na disputa pelo Trono de Ferro", escreve Haden. "Ele é ao mesmo tempo o superazarão e a prova de que você nunca deve se subestimar."

Leia mais: Os segredos para aprender um novo idioma (rapidamente)

David Beebe, vice-presidente de marketing global do grupo Marriott International

Assim como os reis de Game of Thrones podem ser destronados por personagens até então menores, o mesmo pode acontecer com altos executivos. É importante ter isso em mente ao tratar com seus subordinados, até mesmo o estagiário que está trabalhando de graça.

"A responsabilidade dos estagiários e a estrutura de programas de estágio variam de empresa para empresa", escreve Beebe em um post sobre o assunto no mesmo LinkedIn. "É crucial pensar como formar uma relação com o estagiário e aprender com eles."

Entre as principais dicas do executivo para se lidar com estagiários estão:

"Deixe-os familiarizados. Não importa o tamanho da companhia. É fundamental que os estagiários conheçam a empresa e sua história, seus valores, seus departamentos etc. Pode ser algo já batido para você, mas é novidade para eles", afirma Beebe.

"Convide-os para reuniões (quando possível). Deixe-os à vontade para dar suas opiniões, contribuir e compartilhar suas ideias", aconselha o executivo. "Eles estão na empresa para aprender, mas você e seus colegas também podem aprender com eles – não se deve ignorá-los e colocá-los em um canto."

"Dê feedback a eles. Não deduza que eles sabem o que é bom ou ruim. Para muitos, essa é a primeira experiência no mundo do trabalho e um feedback consistente os ajudará a se guiarem."

"Delegue a eles um projeto de longo prazo. Fora das reuniões e dos projetos do dia a dia, envolva-os junto com outros estagiários ou funcionários em um projeto que eles possam desenvolver ao longo da duração do estágio e apresentar para as diversas equipes", recomenda Beebe.

Leia mais: Quatro dicas para fazer seu currículo decolar

Clique aqui para ver outras matérias especiais de economia e negócios

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site da BBC Capital.