MP apura se outros seis clubes de São Paulo exigem que babá use branco

(Thinkstock) Direito de imagem Thinkstock
Image caption Hebraica, Paulistano, Paineiras do Morumby, Harmonia Tênis Clube, Esporte Clube Sírio, SPAC estão na mira do órgão

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) vai apurar se outros seis clubes de classe média alta de São Paulo, além do Pinheiros, vetam a entrada de babás se elas não estiverem usando roupas brancas.

Conforme a BBC Brasil informou, o MP abriu um inquérito civil contra o Clube Pinheiros para saber se instituição incorreu em prática discriminatória ao fazer a exigência.

Juntamente com o inquérito, o MP expediu ofícios aos clubes Hebraica São Paulo, Paulistano, Paineiras do Morumby, Harmonia Tênis Clube, Esporte Clube Sírio e SPAC ─ Clube Atlético São Paulo (conhecido como clube dos ingleses).

Os seis clubes foram consultados pela BBC sobre a regulamentação em relação à entrada de babás.

O Paulistano (Club Athletico Paulistano), confirmou que é necessário o uso de uniformes brancos por babás.

"A entrada de qualquer pessoa que não seja sócia deve ser feita de acordo com as normas estatutárias, normas e regras que regem todo o funcionamento do clube, em suas dependências, e que incluem regras sociais, costumes e usos, de conhecimento dos associados", informou.

A direção do Paulistano esclareceu ainda que exceto os sócios e seus convidados, todas as outras pessoas que entram no local devem usar uniformes de acordo com suas atividades profissionais.

Segundo o clube, a regra vale para profissionais que trabalham em suas dependências (tais como ascensoristas, professores, salva-vidas e garçons), sejam eles funcionários diretos do clube ou não.

"Trata-se única e exclusivamente de cumprimento de resolução normativa, apresentado e aceito pelos sócios no momento de sua entrada na centenária agremiação esportiva".

Já o clube Paineiras informou que "as vestimentas das babás ficam a critério do associado, ou seja, o empregador da babá" e que as babás devem apenas a usar um crachá feito previamente pelo associado.

O clube informou ainda que as babás "só podem entrar na piscina do playground acompanhando os bebês e crianças até 7 anos."

No Sírio, não há qualquer tipo de restrição em relação às roupas das babás, conforme o clube informou à reportagem, acrescentando ainda que foi feita uma campanha há cerca de três anos para orientar os sócios a pedirem que elas usassem "trajes de babás".

Os clubes Hebraica, Harmonia e SPAC não quiseram comentaram o caso.

Normas internas

Na véspera, o Clube Pinheiros havia confirmado à BBC Brasil que a obrigatoriedade do uso de roupas brancas pelas babás era uma prática regulamentada em normativa interna, afirmando que "assim como é comum em organizações a utilização de uniforme e crachá, o Pinheiros adota o mesmo tipo de sistema".

O Pinheiros também confirmou a existência de algumas partes do local que são proibidas às babás. "Existem áreas, como piscina e locais de eventos, que possuem regras específicas para o acesso, podendo ser reservadas exclusivamente aos associados. O clube ainda ressalta que repudia qualquer tipo de pré-conceito ou discriminação de qualquer caráter."

A promotora responsável pelo inquérito, no entanto, discorda da visão do clube.

"Ao exigir o uso de determinada roupa pelas babás, o clube pretende marcar as pessoas que estão no local, circulando entre os sócios, mas que pertencem a outra classe social", afirmou Beatriz Helena Budin Fonseca à BBC Brasil, ressaltando que outros acompanhantes dos sócios, como parentes, não são obrigados a usar branco.

"A discriminação é evidente porque viola os princípios constitucionais da igualdade e da dignidade da pessoa humana. A regra é discriminatória."

Após os clubes responderem aos ofícios com os esclarecimentos solicitados pela promotora, o Ministério Público vai decidir se entrará com uma ação pública. Outra possibilidade seria a realização do chamado Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), um instrumento jurídico no qual os clubes assumiriam o compromisso de ajustar suas regras conforme solicitado, sob risco de sofrerem sanções (normalmente multas).

Leia mais: Clube que obriga babá a usar branco é alvo de investigação do MP

Notícias relacionadas